ISSN 1678-0701
Número 64, Ano XVII.
Junho-Agosto/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Notícias

14/06/2018PLÁSTICO CHEGOU AO PONTO MAIS REMOTO DO OCEANO E PREOCUPA AMBIENTALISTAS  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3200 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PLÁSTICO CHEGOU AO PONTO MAIS REMOTO DO OCEANO E PREOCUPA AMBIENTALISTAS

By Guiga Liberato

 Ambientalistas estão preocupados com a quantidade de plásticos que vem tomando conta dos oceanos nos últimos anos e pode acabar de vez com muitas espécies marinhas devido a grande quantidade de polietileno que estão se espalhando nos oceanos.

Para o desespero de muitos estudiosos e cientistas, o polietileno chegou ao ponto mais remoto da terra que é conhecido como Ponto Nemo.*O Ponto Nemo, também chamado de “Polo da Inacessibilidade do Pacífico”, é o local mais distante de qualquer continente ou ilha no planeta Terra, seja ela habitada ou não.wikipédia

Localizado a cerca de 1.700 milhas da ilha mais próxima, Ponto Nemo é o ponto oceânico mais distante da terra em nosso planeta. Apesar de sua localização isolada, o local está sendo atormentado com a poluição do plástico em grandes quantidades. Segundo amostras coletadas a água do mar de ponto nemo continha até 26 partículas de microplástico por metro cúbico.

Plástico encontrado na praia de ponto nemo / imagem: internet

Em 1992, um engenheiro descobriu o Ponto Nemo usando um programa de computador para determinar o ponto oceânico mais remoto do planeta. O ponto isolado é também uma das áreas mais sem vida do oceano devido à sua proximidade com a corrente do Pacífico Sul, que afasta a água rica em nutrientes.

A água do mar foi analisada pela primeira vez pelo Dr. Soren Gutekunst do GEOMAR Institute for Ocean Research Kiel, na Alemanha. “Isso significa que, mesmo que eu coloque uma garrafa de plástico no rio Tâmisa, talvez em algum momento eu encontre microplásticos desta garrafa na África do Sul”, disse Gutekunst. Embora a notícia da poluição por plásticos, mesmo nos locais mais remotos, seja preocupante, o nível de poluição ainda está muito abaixo do de áreas como o Mediterrâneo ou o Mar do Sul da China, que contêm os níveis mais altos de poluição por microplástico.

Fonte: https://meioambienterio.com/2018/05/22/plastico-chegou-ao-ponto-mais-remoto-do-oceano-e-preocupa-ambientalistas/29821/





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias