ISSN 1678-0701
Número 64, Ano XVII.
Junho-Agosto/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

29/06/2018IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3279 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS


LELIS, T.¹

tlelis.bio@gmail.com

SANTOS, C. R. S.¹

crobertarj@gmail.com

GRAÇA, V. F. V.¹

vaniafirmino@gmail.com

GOMES, J. T. M²

jess.tmaia@gmail.com

LEMOS, J. L. S.³

liliana.lemos@gmail.com

MELLO, M. C.³

marise.cm@gmail.com


¹ Aluna do Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental (PPGCTA). Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO). Av. Manuel Caldeira de Alvarenga, 1203, Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ – CEP 23.070-200.

² Bióloga pelo Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO). Av. Manuel Caldeira de Alvarenga, 1203, Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ – CEP 23.070-200.

³ Professora Dra. do Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental (PPGCTA). Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO). Av. Manuel Caldeira de Alvarenga, 1203, Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ – CEP 23.070-200.



RESUMO

A Educação Ambiental (EA) e suas ferramentas são essenciais para construção de um mundo mais sustentável. O objetivo básico da EA é estimular o desenvolvimento de uma consciência individual e coletiva sobre a importância da preservação dos recursos naturais para a continuidade da vida na Terra. Dentre os diversos problemas ambientais ao redor do mundo, a escassez de água em decorrência da quantidade de resíduos gerados por diferentes atividades humanas é preocupante. Assim, é urgente a mudança de hábito do ser humano em relação aos resíduos produzidos e na sua forma de consumo. Nesse cenário, as vantagens da prática da coleta seletiva associada à reciclagem destacam-se pela redução da extração e economia dos recursos naturais. Com essas premissas, o Grupo de Educação Ambiental da UEZO - GEA/UEZO surgiu e vem promovendo por meio de palestras, oficinas, dinâmicas e debates, uma percepção da relevância da Natureza na a vida humana. No dia mundial da água, o GEA/UEZO realizou um evento, no qual alunos de graduação da UEZO e professores e alunos de duas escolas de ensino médio foram convidados a refletir sobre a importância da água, da coleta seletiva e da reciclagem para sustentabilidade do planeta. Um questionário avaliou a percepção de alguns participantes sobre essas questões. Os resultados foram bastante satisfatórios quanto à sensibilização ambiental por parte dos entrevistados, mostrando a relevância das ações desenvolvidas para colaborar com as mudanças conceituais, procedimentais e atitudinais em relação ao meio ambiente.


Palavras-chave: Água. Educação Ambiental. Coleta Seletiva. Reciclagem.



ABSTRACT

Environmental Education (EA) and its tools are essential for building a more sustainable world. The basic aim of EA is to stimulate the development of an individual and collective awareness of the importance of preserving natural resources for the continuity of life on Earth. Among the many environmental problems around the world, the scarcity of water due to the amount of waste generated by different human activities is worrying. Thus, it is urgent to change the habit of the human being in relation to the waste produced and in its form of consumption. In this scenario, the advantages of the practice of the selective collection associated to the recycling stand out for the reduction of the extraction and economy of the natural resources. With these premises, the UEZO - GEA/UEZO Environmental Education Group emerged and promoted through lectures, workshops, dynamics and debates, a perception of the relevance of nature in human life. On the World Water Day, the GEA/UEZO held an event in which UEZO undergraduates and teachers and students from two high schools were invited to reflect on the importance of water, selective collection and recycling for sustainability. planet. A questionnaire assessed the perception of some participants on these issues. The results were very satisfactory regarding the environmental awareness of the interviewees, showing the relevance of the actions developed to collaborate with the conceptual, procedural and attitudinal changes in relation to the environment.


Key-words: Water. Environmental education. Selective collect. Recycling.





INTRODUÇÃO


A Educação Ambiental (EA) surge como um processo participativo, no qual cada cidadão pode assumir o papel de elemento central do processo, atuando ativamente no diagnóstico dos problemas e na busca de soluções. Dessa forma, as pessoas são preparadas para agir como agentes transformadores, por meio do desenvolvimento de habilidades, formação de atitudes, e também por uma conduta ética e condizente com o exercício da cidadania. No entanto, o que ainda vemos é o homem interferindo na natureza com sua consciência, conhecimentos, atitudes, habilidades e formas de participar na sociedade, na qual ele nasce, cresce e morre sem saber tudo sobre o ambiente em que vive (RUIZ et al., 2005).

Por meio da EA busca-se o desenvolver da consciência crítica e a sensibilização ambiental a fim de promover atitudes e condutas que favoreçam o exercício da cidadania, a preservação do ambiente e a promoção da saúde e do bem-estar (MELO et al., 2015). É importante ressaltar que a EA ainda é um campo em construção, já que ela é uma práxis que está diretamente relacionada às diversas concepções de mundo e, ainda, inscrita em princípios metodológicos alicerçados nessas concepções (LELIS & SOARES, 2016).

Leff et al., (2001) falam sobre a impossibilidade de resolver os crescentes e complexos problemas ambientais, e reverter suas causas sem que ocorra uma mudança radical nos sistemas de conhecimento, dos valores e dos comportamentos, gerados pela dinâmica de racionalidade existente, fundada no aspecto econômico do desenvolvimento.

Atualmente, a preocupação com o ambiente tem estado presente na vida de grande parte da população em diferentes culturas e países. A mídia tem se encarregado de divulgar grandes catástrofes ambientais, naturais ou provocadas pela atividade do homem, muitas vezes de forma genérica e noticiosa (MORADILLO & OKI, 2004).

O homem está constantemente agindo sobre o meio a fim de satisfazer suas necessidades e desejos. Cada indivíduo percebe, reage e responde diferentemente frente às ações sobre o meio (BEZERRA & GONÇALVES, 2007). Existe, portanto, a necessidade de incrementar os meios de informação e o acesso a eles, bem como o papel indutivo do poder público nos conteúdos educacionais como caminhos possíveis para alterar o quadro atual de degradação socioambiental. Trata-se de promover o crescimento da consciência ambiental, expandindo a possibilidade da população participar em um nível mais alto no processo decisório, como uma forma de fortalecer sua corresponsabilidade na fiscalização e no controle dos agentes de degradação ambiental (JACOBI, 2003). É preciso que a parcela da população, que desconhece as possíveis consequências do desequilíbrio ecológico, seja contagiada por uma nova cultura, relacionada ao papel que cada indivíduo deve desenvolver na sociedade (MACHADO et al., apud SIQUEIRA et al., 2015).

A água é um solvente versátil frequentemente usado para transportar produtos residuais para longe do local de produção e descarga. O grande problema, é que esses residuais são frequentemente tóxicos, e sua presença pode degradar seriamente o ambiente do rio, lago ou riacho receptor (WHITE & RASMUSSEN, 2002).

Apesar de todos os esforços para armazenar e diminuir o seu consumo, a água está se tornando um bem escasso, e a sua qualidade se deteriora cada vez mais rápido devido às atividades humanas (FREITAS et al., 2001). A água subterrânea, por exemplo, além de ser um bem econômico é considerada mundialmente uma fonte imprescindível de abastecimento para o consumo humano, para as populações que não têm acesso à rede pública de abastecimento ou para aquelas que, a despeito de terem acesso, o fornecimento ocorre com frequência irregular. No Brasil, a reserva subterrânea potencial explorável (disponibilidade hídrica subterrânea) é de 11.430 m³/s e suas águas subterrâneas abastecem 39% dos municípios brasileiros (ANA, 2013).

As fontes de contaminação antropogênica em águas subterrâneas são, em geral, diretamente associadas a despejos domésticos, industriais e ao chorume oriundo de aterros de lixo que contaminam os lençóis freáticos com microrganismos patogênicos (FREITAS & ALMEIDA, 1998).

Outro problema ambiental sério é a questão do “lixo”, o qual diz respeito a cada um de nós. Abordar a problemática da produção e destinação do “lixo” no processo de educação é um desafio, cuja solução passa pela compreensão do indivíduo como parte atuante no meio em que vive (LEMOS et al.,1999). O lixo também chamado de rejeito passa por um processo de exclusão: ele é “posto para fora de casa” e deve cumprir ritos de passagem, respeitando regras próprias. Assim, não deve ser deixado em qualquer lugar, pois não há duvidas que os resíduos sólidos contêm várias substâncias que podem afetar tanto a saúde do homem, seja mediante ao contato direto ou indireto, por meio de micro e macro vetores, como também pode causar impactos extremamente negativos ao meio ambiente (FELIX, 2007).

A questão dos resíduos sólidos no meio urbano representa impactos ambientais relevantes que afetam e degradam a qualidade de vida urbana (OLIVEIRA et al., 1973). No entanto, procura-se desenvolver atitudes e ações de conservação e preservação do ambiente natural, na comunidade, demonstrando que a utilização de práticas de proteção ao meio ambiente resulta no proveito próprio e comunitário. Além disso, ajuda também a desenvolver uma postura social e política preocupada e comprometida com a questão da vida na Terra. Assim, fica mais fácil reconhecer os prejuízos que o “lixo” acumulado causa na saúde pública e a importância da sua redução, bem como a sua reutilização e reciclagem para a preservação da natureza (CORREA, 2001).

Segundo Waite (2009), entre as vantagens ambientais da coleta seletiva destacam-se: a redução do uso de matéria-prima virgem, a economia dos recursos naturais renováveis e não renováveis; a menor energia no reprocessamento de materiais, quando comparada com a extração e produção a partir de matérias-primas virgens, a valorização das matérias-primas secundárias, a redução da disposição de lixo nos aterros sanitários e menores impactos ambientais decorrentes.

Portanto, o presente trabalho teve como finalidade verificar as possíveis mudanças conceituais, procedimentais e atitudinais de alguns alunos, das instituições de ensino que participaram do evento, no que tange à importância da água, da coleta seletiva e da reciclagem por meio do conhecimento previamente transmitido na forma de palestras, e avaliado mediante um questionário com perguntas relacionadas a esses temas, com o propósito de se viver em um Brasil mais sustentável.



METODOLOGIA


Por meio de práticas de Educação Ambiental, o GEA/UEZO realizou um evento em comemoração ao Dia Mundial da Água, em 27/03/2017, das 9-12h (manhã) e das 13-17h (tarde), abordando temas sobre a importância da preservação dos recursos hídricos e da implantação da coleta seletiva e da reciclagem.

O evento foi desenvolvido nas dependências da Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO), do Instituto de Educação Sarah Kubitschek (IESK) e do Centro de Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro (CEDERJ), localizadas no bairro de Campo Grande, município do Rio de Janeiro. O público-alvo foi alunos de graduação da UEZO, professores e alunos de ensino médio do Instituto Sarah Kubistchek e do Centro Educacional Miécimo da Silva.

No turno da manhã e da tarde, foram apresentadas palestras que enfatizaram o papel do “lixo” como uma das principais fontes de poluição das águas dos rios e lagos, e também das possíveis causas de riscos à saúde pública. Os temas apresentados foram (1) “Qual a importância da água para a vida?”, (2) “Por que não jogar lixo nos rios?”,(3) “O que é Coleta seletiva” e (4) “Por que reciclar?”. Com exceção do terceiro tema, o qual foi desenvolvido em forma de dinâmica ambiental com a participação dos alunos, os demais utilizaram o recurso áudio visual, datashow. Após as palestras, no turno da manhã, foi realizada uma gincana com os alunos, que consistiu em um mutirão de limpeza nas áreas livres onde o evento ocorreu, com a intenção de promover uma reflexão sobre o que fazemos em relação ao “lixo” que produzimos e a importância da coleta seletiva e de reciclagem. Já no turno da tarde, os alunos foram convidados a participar de uma oficina de cartazes a fim de deixarem as suas impressões e/ou sugestões sobre o tema que mais os sensibilizou no decorrer do evento.

Durante o evento foram distribuídos questionários para 47 participantes (N=47) de um público total de 350 pessoas participantes, sobre os temas abordados na forma de perguntas fechadas (estruturadas) e semiestruturadas. De acordo com Minayo & Sanches (1993), a entrevista fechada é geralmente realizada a partir de um questionário pré-estabelecido e totalmente estruturado. A escolha do entrevistado está condicionada pela multiplicidade de respostas apresentadas pelo entrevistador. Segundo Martins & Bógus (2004), a entrevista semiestruturada é aquela que parte de certos questionamentos básicos, apoiados em teorias e hipóteses, que interessam à pesquisa e que, em seguida, oferecem amplo campo de interrogativas, fruto de novas hipóteses que vão surgindo à medida que se recebem as respostas do entrevistado. Este, seguindo espontaneamente a linha de seu pensamento e de suas experiências dentro do foco principal colocado pelo investigador, começa a participar na elaboração do conteúdo da pesquisa.



RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados apresentados nas Figuras 1, 2, 3 e 4 estão relacionados às perguntas fechadas do questionário distribuído aos 47 alunos entrevistados, com idades entre 14 e 18 anos.


A Figura 1 corresponde às respostas dadas para a pergunta “Você acha que a água é importante para a vida?”. De acordo com a figura 1, 100% (N=47) dos alunos entrevistados afirmaram que a água é importante para a vida. A falta de água é um dos graves problemas mundiais que pode afetar a sobrevivência dos seres humanos. Por conseguinte, o uso desordenado, o desperdício e o crescimento da demanda são fatores que contribuem para intensificar a escassez de água potável no planeta. Por outro lado, o Brasil apresenta uma das maiores bacias hídricas do mundo. No entanto, a severa escassez de água potável em diversas regiões tem sido provocada pelo desequilíbrio entre a distribuição demográfica, industrial e agrícola e a concentração de água. A conscientização da importância da economia de água é um dos primeiros passos para atenuar o problema e, junto ao incentivo do governo, levar a mudanças de hábitos da população para o uso racional da água (DOWBOR & TAGNIN, 2005).


Figura 1
















A Figura 2 apresenta o resultado para pergunta “Você acha que separar o lixo é importante e ajuda o meio ambiente?”. Todos os alunos responderam que sim (100% - N=47). A proposta da coleta seletiva do lixo escolar é uma ação educativa que visa investir numa mudança de mentalidade como um elo para trabalhar a transformação da consciência ambiental. A problemática do lixo vem sendo agravada, entre outros fatores, pelo acentuado crescimento demográfico, especialmente nos centros urbanos, resultantes do êxodo rural e da falta de um planejamento familiar (FELIX, 2007).


Figura 2
















A Figura 3 mostra os resultados para pergunta “Em sua opinião, palestras educativas e atividades relacionadas ao meio ambiente ajudam a melhorar a qualidade da água e da vida das pessoas?”. Do total dos entrevistados, 89% responderam que sim, enquanto que 7% (N=3) responderam que não e 4% (N=2) não souberam responder. Segundo Felix (2007) o trabalho educacional é, sem dúvida, um dos mais urgentes e necessários meios para reverter à degradação do meio ambiente, pois atualmente, grande parte dos desequilíbrios está relacionada à conduta humana, ocasionada pelo apelo consumista que gera desperdícios, e pelo uso inadequado dos bens da natureza. Portanto, as instituições de ensino convertem-se em ferramentas indispensáveis para disseminar hábitos e atitudes sustentáveis procurando transformar os homens em seres humanos ecológicos.


Figura 3

















A Figura 4 exibe os resultados para pergunta “O que você achou das atividades para comemorar o dia da água?”. Dentre os entrevistados, 38% (N=18) consideraram as atividades Ótimas, 43% (N=20) Boas, 15% (N=7) Regulares e 4% (N=2) não responderam a esta pergunta. Entretanto, nenhum dos alunos respondeu que estas atividades foram Ruins ou Péssimas. Desta forma, entende-se que a educação ambiental é de fundamental importância nas instituições educacionais, uma vez que os alunos podem, inclusive, tirar nota dez nas avaliações escolares, contudo ainda assim jogar lixo na rua, pescar peixes-fêmeas prontas para reproduzir, atear fogo no mato indiscriminadamente, realizar ações danosas sem perceberem a extensão dessas ações, uma vez que não se sentem responsáveis pelo mundo em que vivem. No entanto, a atenção dada à questão ambiental, como tema transversal no currículo do ensino fundamental é ainda incipiente (ANJOS, 1996).


Figura 4














Em relação às perguntas abertas do questionário, os resultados para a pergunta “Por que não devemos jogar lixos nos rios?”, mostrou que do total dos entrevistados (N=47), 4% (N=2) não responderam, mas que 96% (N=45) demonstraram em suas respostas um grau de conhecimento sobre a importância da conservação dos rios.

Quando questionados “De que forma você relacionaria a qualidade da água com a coleta seletiva e a reciclagem?” Os dados indicaram que 64% (N=30) dos entrevistados mostraram-se conscientes de que as ações de coleta seletiva e reciclagem são relevantes para a manutenção ambiental, enquanto que 36% (N=17) simplesmente não responderam a esta questão.

Quanto a pergunta “Você teria alguma sugestão que colaborasse para tornar o cuidado com a água, o lixo e a natureza um hábito comum na vida das pessoas?”. Somente 36% (N=17) dos entrevistados manifestaram-se com ações que poderiam contribuir para melhorar nossa relação com o ecossistema, enquanto os outros 64% (N=30) não responderam.

Um dos principais problemas gerados pela poluição dos rios por meio do lixo é o seu assoreamento, o que ocasiona enchentes e alagamentos, causando danos e destruição de bairros e cidades, além de alterar o estado químico da água prejudicando muitas espécies de vertebrados e invertebrados, necessários para a manutenção do equilíbrio dos ambientes. A coleta seletiva ajuda para que os resíduos considerados como lixos sejam separados e descartados corretamente, sem ter o seu destino final em algum corpo d’água. Sendo assim, a coleta seletiva ajuda a evitar que estes rejeitos não se decomponham nestes ambientes, promovendo então a conservação dos mesmos. As sugestões dos participantes são sempre muito importantes para poder mensurar o quanto as pessoas estão sensibilizadas, bem como observar suas concepções em relação ao meio ambiente e o grau de importância do mesmo para a vida de cada um.



CONCLUSÃO


A importância das águas, da coleta seletiva e da reciclagem para sustentabilidade do planeta foi amplamente discutida com o objetivo de promover uma mudança de atitudes em relação à proteção do meio ambiente, fomentando desta maneira a Educação Ambiental.

Eventos sobre Educação Ambiental em ambientes escolares são bastante apropriados para o desenvolvimento de ações que contribuam na formação da cidadania dos jovens. O estímulo ao pensamento crítico frente à sociedade é fundamental para que mudanças aconteçam e frutifiquem novos hábitos ecologicamente corretos em direção à sustentabilidade socioambiental. O público-alvo foi incentivando a sensibilizar-se quanto à preservação do meio ambiente. Por tanto, todo conhecimento adquirido poderá ser transferido para pessoas do seu convívio, transformando-os em agentes multiplicadores da educação ambiental e de ações sustentáveis, que supram as necessidades atuais, sem comprometer o futuro das próximas gerações.

O resultado do presente trabalho foi satisfatório quanto à colaboração na formação crítica e na sensibilização ambiental dos alunos que participaram no evento, pois, mediante as respostas ao questionário, percebeu-se um senso critico positivo dos alunos na preservação da Natureza. As palestras, dinâmica, gincana e oficina, especialmente elaboradas para que os jovens pensassem no meio ambiente como um bem comum, com certeza, os incentivarão a optar por condições ideais de equilíbrio do ambiente e da sua manutenção juntamente com o progresso, já que o meio ambiente merece ser bem cuidado e todo ser humano necessita dele para garantir a sua sobrevivência.




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil. Brasília, p. 58-63, 2013.


ANJOS, M. B. D. Educação Ambiental na abordagem interdisciplinar: experiência do Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.


BEZERRA, T. M. O. & GONÇALVES, A. P. C. Concepções de meio ambiente e educação ambiental por professores da Escola Agrotécnica Federal de Vitória de Santo Antão-PE. Biotemas, v. 20, n. 3, p. 115-125, 2007.


CORREA, S. E. O. O conhecimento da problemática ambiental do lixo na visão dos alunos de 5ª a 8 ª séries em escolas municipais de Itaqui-RS. Monografia de pós-graduação em Educação. Uruguaiana, PUCRS-Campus II, 2001.


DOWBOR, L. & TAGNIN, R. A. Administrando a água como se fosse importante: gestão ambiental e sustentabilidade. Editora Senac São Paulo, 2005.


FELIX, R. A. Z. Coleta seletiva em ambiente escolar. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 18, 2013.


FREITAS, M. B. & ALMEIDA, L. M. Qualidade da água subterrânea e sazonalidade de organismos coliformes em áreas densamente povoadas com saneamento básico precário. Anais do X Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, n. 1, 1998.


FREITAS, M. B. D.; BRILHANTE, O. M. & ALMEIDA, L. D. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, v. 17, n. 3, p. 651-60, 2001.


IBGE (Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo Brasileiro de 1991. Rio de Janeiro: IBGE. 1991


INEA (Estituto Estadual do Ambiente). Manual de implantação de coleta seletiva solidária em escolas do Estado do Rio de Janeiro/Instituto Estadual do Ambiente, - Rio de Janeiro: INEA, 2012. 92p.



JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, v. 118, n. 3, p. 189-205, 2003.


LEFF, E.; VALENZUELA, S. & VIEIRA, P. F. Epistemologia ambiental. São Paulo: Ed. Cortez, 2001.


LELIS, T. B. S. & SOARES, M. A. Ações em Educação Ambiental no Parque do Mendanha, Rio de Janeiro – RJ. Revista Educação Ambiental em Ação. v. 15, n. 57, 2016.


LEMOS, J. C.; LIMA, S. D. C. & ALVIM, N. M. C. Segregação de resíduos de serviços de saúde para reduzir os riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Bioscience Journal, v. 15, n. 2, p. 63-77, 1999.


LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental transformadora. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 65-84, 2004.


MACHADO, R. F. O.; VELASCO, F. C. G. & AMIM, V. O Encontro da Política Nacional de Educação Ambiental com a Política Nacional do Idoso. Saúde e Sociedade v.15, n.3, 2006. apud SIQUEIRA, S. R.; LELIS, T. L. S.; SOUZA, D. R.; MELO, B. C. A.; GARCIA, H. S. & SOARES, M. A. Práticas de Educação Ambiental em Grupos da Terceira Idade na Zona Oeste do Rio de Janeiro, RJ. Rev. Educação Ambiental em Ação. v. 13, n. 51, 2015.


MARTINS, M. C. F. N. & BÓGUS, C. M. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde e sociedade, v. 13, n. 3, p. 44-57, 2004.


MELO, B. C. A.; LELIS, T. B. S.; SOUZA, D. R.; SIQUEIRA, S. R. & SOARES, M. A. Ações em educação ambiental e análise do conhecimento escolar sobre insetos de importância médica. Rev. Educação Ambiental em Ação. v. 13, n. 51, 2015.


MINAYO, M. C. D. S. & SANCHES, O. Quantitative and qualitative methods: opposition or complementarity?. Cadernos de saúde pública, v. 9, n. 3, p. 237-248, 1993.


MORADILLO, E. F. & OKI, M. C. M. Educação ambiental na universidade: construindo possibilidades. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 332-336, 2004.


MORAES, D. S. L. & JORDÃO, B. Q. Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Rev. Saúde Pública, v. 36, n. 3, p. 370-4, 2002.


OLIVEIRA, W. E. D.; LUZ, F. X. R. D. & MENEZES, N. A. D. Resíduos sólidos e limpeza urbana. In: Resíduos sólidos e limpeza urbana. FSP/UPS, 1973.


RUIZ, J. B.; LEITE, E. C. R.; RUIZ, A. M. C. & AGUIAR, T. F. Educação ambiental e os temas transversais. Akrópolis, v. 13, n. 1, 2005.


WHITE, P. A. & RASMUSSEN, J. B. The genotoxic hazards of domestic wastes in surface waters. Mutation Research/Reviews in Mutation Research. v. 410, n. 3, p. 223-236, 1998.


WAITE, R. Household waste recycling. London: Routledge, 2009.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias