A revista precisa do seu apoio!
Desde seu nascimento em 2002, a revista tem crescido em importância e conteúdo (59 exemplares trimestrais, + de 9 milhões os acessos, avaliação QUALIS-B1 na área de Ensino), requisitando mais dedicação dos membros da equipe, que a mantém de forma independente (sem apoio financeiro externo). Para continuarmos a desenvolver este trabalho, viemos pedir o apoio da comunidade através de doações.
Às pessoas que contribuírem enviaremos um brinde-surpresa! - Editores da revistaea.org
ISSN 1678-0701
Número 60, Ano XVI.
Junho/Agosto/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

03/06/2017
PRÁTICA PEDAGÓGICA DIVERTIDA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL INFANTIL  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2715 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

 

PRÁTICA PEDAGÓGICA DIVERTIDA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL INFANTIL

 

 

 

Vanessa Oliveira Fernandes Câmara;

Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente – UFPB;

 

Waldjan Lima Mendonça;

Mestranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente - UFPB

 

 

 

 

Resumo: Este trabalho tem como objetivo compartilhar práticas positivas na educação ambiental infantil, partindo da experiência com o trabalho de estimular a percepção e a conscientização de crianças, tendo como foco a história ambiental local. Tratando a reflexão sobre as dificuldades encontradas pelos professores do ensino básico em tratarem da temática ambiental de forma transversal e descontraída num cenário crescente de degradação ambiental e social. Busca-se trazer propostas e vivências que mostram alternativas para a educação ambiental através da aprendizagem e da linguagem artística. A Educação ambiental, auxilia diretamente na formação da personalidade do sujeito de maneira mais completa. Verifica-se que metodologia lúdica, através do teatro de bonecos se mostra eficaz, pois envolve todos os sentidos das crianças, levando-os a interagir com os personagens numa linguagem simples e adequada à realidade social dessas crianças. Resgatando a forma divertida de aprender e ensinar nas escolas públicas.

 

Palavras-chave: Educação ambiental, estratégias, crianças

 

 

Abstract: This paper aims at sharing good practices in environmental education for children, building on the experience with the work to stimulate the perception and awareness of children, focusing on local environmental history. Since the reflection on the difficulties encountered by primary school teachers in addressing the environmental issues across the board and relaxed in a scenario of increasing environmental and social degradation.  The aim is to bring proposals and experiences that show alternatives for environmental education througt lifelong learning and language arts. Environmental education directly assists in shaping the character of the subject more fully. It appears that ludic methodology, through the puppet theater proves to be effective, it involves all the senses of children, causing them to interact with characters in a simple and appropriate to the social reality of these children. Rescuing the fun way to learn and teach in public schools.

 

Keywords: Environmental education, strategies, children

 

 

Introdução

 

No processo de construção do conhecimento, as crianças se utilizam das mais variadas linguagens e exercem a capacidade que possuem com idéias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam desvendar. Compreender, conhecer e reconhecer o jeito particular das crianças de serem e estarem no mundo é um grande desafio para os educadores.  Conforme a criança cresce, precisa ser estimulada, educada para obter sucessos. Cuidar, compreender e educar são ações que competem principalmente aos pais e educadores, desenvolvendo capacidade e talentos que permitam o aprender a viver com mais sabedoria, compreensão e respeito pelo outro e pelo meio em que vive. Freire (2001) acredita que o ser humano é capaz de inventar e transformar sua realidade. Nessa perspectiva, a educação ambiental infantil aqui apresentada busca ser uma nova contribuição para que as crianças e seus educadores desenvolvam as várias formas de comunicação e expressão, enriquecendo mais e mais seu processo de desenvolvimento e aprendizagem.

A discussão sobre política de educação ambiental infantil tem levado em conta que apenas a minoria de crianças está sendo atendida na educação brasileira. Contudo, “a democratização da educação ambiental e o trabalho pedagógico vêm contribuindo para que a educação infantil seja prioritária, mesmo não resolvendo a falta de oportunidades das muitas crianças” (NUNES, 2011).

Considerando que a educação ambiental deve ser um recurso de sensibilização e capacitação do ser humano, entende-se que o uso do lúdico por meio do teatro de bonecos e das mais diversas atividades auxilia no desenvolvimento de atitudes ambientalmente responsáveis. É fundamental que o processo educativo proporcione uma percepção integrada da natureza complexa do meio ambiente, ou seja, meio físico-natural e do meio construído pelos seres humanos, resultantes da interação dos aspectos físicos, biológicos, sociais, econômicos e culturais, construindo valores sociais e adquirindo conhecimento, atitudes e habilidades das práticas voltadas para a participação responsável e eficaz na prevenção e solução dos problemas ambientais e da gestão da qualidade do meio ambiente.

            Piletti (2003, p.89) menciona o uso de práticas lúdicas com crianças enfatizando que esse processo é valido quando bem aplicado, pois além do lazer, o lúdico é um método de desenvolvimento intelectual. No entanto, sabe-se que na prática pedagógica cotidiana pouco se utiliza desse recurso.

            O teatro de bonecos na escola pode proporcionar ao aluno uma rica e significativa experiência, podendo abrir caminhos para descobertas e a exploração do mundo que o rodeia. Há séculos o teatro de bonecos é conhecido por alegrar e seduzir crianças e adultos por transmitir de forma simples e direta as mensagens, podendo ser aproveitado para compartilhar informações sobre o meio ambiente os cuidados necessários com o planeta em que habitamos. “As crianças recebem bem melhor e armazenam com mais facilidade as informações quando são apresentadas através de algo que as encante emocionalmente” (PILETTI, 2003, p. 92), como é o caso do teatro de bonecos.

 

           

Métodos

 

 

É possível citar como experiência a turma do 3° ano do ensino fundamental da Escola Municipal Nazinha Barbosa, situada em João Pessoa-PB, com crianças de 7 a 10 anos, 90% da turma reside no bairro São José, uma comunidade situada as margens do Rio Jaguaribe. Através do teatro de bonecos, utilizado como uma ferramenta pedagógica, foram apresentadas peças teatrais com bonecos, uma vez por semana, com duração média de 20 a 30 minutos e discussões após as apresentações, durante o período letivo de 2011. Além dos bonecos, foram utilizados cenários que envolviam o contexto das peças apresentadas e recursos áudios. Incluindo discussões do conteúdo após as apresentações.

A escola vivenciada é palco de disputas e tensões, está a serviço de uma comunidade desassistida e carente políticas públicas ambientais. Fora e dentro da Escola, a cultura sofre a banalização e comercialização, imposta por uma sociedade onde predomina uma ética consumista, pouco importando o uso indiscriminado dos recursos naturais.

Inicialmente, conhecendo a rotina da escola, buscou-se conhecer sua realidade ambiental, seus problemas, sua atuação pedagógica e, a partir desse conhecimento, realizou-se um planejamento dos temas das peças, de como seria melhor desenvolvida e apresentada e a forma como seria trabalhado posteriormente o tema em sala de aula pelo professor responsável pela turma.

 

Considerações finais

 

 

Uma instituição de educação infantil precisa levar em consideração os pontos de vista de diversos atores sociais implicados no processo educativo. Considera-se neste trabalho que é preciso buscar o que é próprio da criança e que esta seja olhada e considerada como tal, ou seja, com sua linguagem, seu modo de pensar, suas limitações e seu comportamento. Nesse sentido, pensar a criança como um ser que recebe, mas que também produz cultura.

            É possível incluir na aprendizagem elementos como admiração, descoberta, interpretação, destreza e surpresa, bem como colocar em prática a crença de que todo mundo tem talentos artísticos, mesmo não sendo artista (CAPRA, 2006). Em suma, as apresentações do teatro de bonecos foram de grande aproveitamento pelas crianças, atingindo o objetivo geral, que foi sensibilizar as crianças sobre os prejuízos causados ao meio ambiente pelas ações humanas.

Assim, foi possível observar mudanças de comportamento e condutas na maioria das crianças da turma citada. Durante e após as apresentações as crianças demonstraram interesse pelos assuntos tratados. Com índice alto de participação nas discussões coletivas, onde foi possível perceber o interesse pelas temáticas ambientais abordadas e as correlações que elas faziam com a realidade vivenciada na comunidade em que vivem. O que permitiu a essas crianças conhecer e diferenciar o meio ambiente como ele é e como deve ser.

            Portanto, a Educação Ambiental é essencial para incentivar atividades que visem à defesa e proteção do meio ambiente, neste sentido as crianças são boas receptoras de um novo saber e excelentes transmissoras e propagadoras desse novo conhecimento para as pessoas a sua volta. No entanto, é necessário escolas e espaços de educação capazes de fazer diferente, compartilhando na mídia esses outros modelos de educação e outros modos de ser criança que também existem.

 

 

 

Referências

 

CAPRA, Frijot.(Org.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo. Cultrix. 2006

FREIRE, P. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo. Editora UNESP, 2001

NUNES, Miguel Freitas. Educação infantil no Brasil: primeira etapa da educação básica.

Brasília, UNESCO, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, Fundação Orsa, 2011

PILETTI. Nelson. Psicologia educacional. São Paulo. Editora Ática. 2003



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias