ISSN 1678-0701
Número 60, Ano XVI.
Junho/Agosto/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

03/06/2017INCENTIVANDO PROFESSORES DAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A INCORPORAR NOS ALUNOS ATITUDES DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE.  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2755 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

INCENTIVANDO PROFESSORES DAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTALA INCORPORAR NOS ALUNOS ATITUDES DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

1Adriana Mendes Moreira, Pedagoga, discente do Curso de Especialização em Educação Ambiental com ênfase em Espaços Sustentáveis  EaD-UFT,adranamendesmoreira02@gmail.com;  2Dr. Danival José de Souza, Orientador, Docente do Curso em Ed. Ambiental EaD-UFT, danival@uft.edu.br

Resumo: O presente trabalho busca mostrar aos professores dos anos iniciais do ensino fundamental as possibilidades de incorporar nos estudantes práticas de preservação do meio ambiente por meio da inserção de conteúdos interdisciplinares. Oobjetivo éincentivar as práticas interdisciplinares pelos professores dando ênfase ao tema meio ambiente e motivar o aluno a adquirir conhecimentos necessários para a vida coletiva e individual. Foram utilizados para levantamento de dadose para as ações: questionários, oficinas metodológicas e acompanhamento de aulas. Com isso objetivou-se incorporar ao professor inovações metodológicas e significativas nas aulas e para o aluno uma aprendizagem que possibilita uma ação transformadora.

Palavras-chave:_incorporação, educação ambiental, preservação do meio ambiente.

 

1.Introdução

Fala-se muito em sustentabilidade e em práticas de preservação do meio ambiente. Mas o que faz a escola para inserir no seu currículo conteúdos que abordem estas temáticas, para que a escola de fato torneseus aprendizesindivíduos ativo direcionando-os a práticas educacionais sustentáveis e de preservação do meio ambiente?

Essa temática precisa ser trabalhada constantemente na escola porque é um espaço onde passam os futuros cidadãos por isso a Educação Ambiental precisa ser introduzida em todos os conteúdos de forma interdisciplinar, sensibilizando os educandos para um convívio mais saudável com a natureza.

É preciso incentivar o professor das séries iniciais do ensino fundamental a essa tomada de decisão em que o mesmo vai ser um facilitador mostrando aos alunos nas aulas de forma interdisciplinar e transversal essa incorporação de atitudes de preservação do meio ambiente e práticas sustentáveis auxiliando-os com um conteúdo vivo e indissociável da realidade. “[...] a perspectiva ambiental em temos de educação contribui para evidenciar a necessidade de um trabalho vinculado aos princípios da dignidade do ser humano, da participação, da corresponsabilidade, da solidariedade e da equidade”. (PCN, 1997, p. 19).

Sendo que sua importância se reflete na inserção de temas relevantes a práticas de preservação ambiental nos estudantes ainda enquanto crianças,poisquando a criança aprende assuntos de significados relevantes para sua vida cotidiana e dessa forma adquire uma vida saudável teremos assim,pessoas no futuro, conscientes, críticos e participativos na construção de saberes necessária a vida no planeta.

A principal finalidade deste trabalho é incentivar os professores das séries iniciais doensino fundamentala inserir conteúdos relacionados à preservação do meio ambiente levando-os a incorporar nas crianças atitudes conscientes de preservação ambiental.

 

2. Bases legais da educação ambiental

Na constituição da república 1988 em seu artigo 225, pg-143que diz:“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e a coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.” Entãose faz necessário ver com zelo o que diz este artigo visto que na instituição educacional a criança vai ter possibilidades de adquirir conhecimentos formais e vinculá-los com os informais, ou seja, os conhecimentos prévios adquiridos fora do ambiente escolar. Mas é necessário que o professor sinta essa necessidade de busca de aperfeiçoamento para a prática visando um trabalho significativo ao educando e consequentemente a sociedade já que na constituição em seu parágrafo 1º ressalta, para assegurar a efetividade desse direito, em seu capitulo VI promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente. Na LDB,em seu art-26,§7º diz, os currículos do ensino fundamental e médio devem incluir os princípios da proteção e defesa civil e a educação ambiental de forma integrada aos conteúdos obrigatórios.Então podemos dizer que temos que assumir essa prática não só como uma exigência legal, mas como uma questão de cidadania e amor a vida no planeta.

 

3. Formação continuada em educação ambiental para os professores do ensino fundamental das series iniciais.

Mesmo o professor já habilitado a ministrar aulas pela formação adquirida em cursos de graduação licenciatura ou mesmo por experiências em sala de aula faz-se necessário a sua incessante busca de conhecimento diante da crescente mudança tecnológica e social da humanidade. A escola tem que oferecer subsídios favoráveis a essa formação seja por parcerias com as Diretorias Regionais de Educação, Secretária de Educação, as Universidades, órgãos estaduais de proteção ao meio ambiente ou mesmo pela equipe diretiva e corpo docente.Além disso, é preciso que a escola insira no Projeto Político Pedagógico ações voltadas a práticas sustentáveis. Pois de acordo as diretrizes curriculares nacionais para Educação Ambiental p. 16, na proposta para a educação infantil e séries iniciais do ensino fundamenta consta:

Emprego de recursos pedagógicos que promovem a percepção da interação humana com a natureza e cultura, evidenciando aspectos estéticos, éticos, sensoriais e cognitivos em suas múltiplas relações.

Promoção de cuidado para com as diversas formas de vida, do respeito às pessoas e sociedades, e do desenvolvimento da cidadania ambiental.

Desenvolvimento de projetos interdisciplinares que valorizem a dimensão positiva da relação dos seres humanos com a natureza, valorizando ainda a diversidade dos seres vivos, das diferentes culturas locais, da tradição oral, entre outros.

Esses fatores são primordiais ao desenvolvimento da Educação Ambiental, desde que os professores tenham conhecimento da tamanha necessidade de se enfocar os problemas ambientais em sala de aula,os impactos ambientais queatingem todos os seres vivos.

4. Despertando nos alunos a capacidade de adquirir conhecimentos significativos para a vida.

Não podemos pensar em alternativas de mudanças das nossas práticas se não levarmos em consideração o que é essencial a aprendizagem dos educandos.

É preciso por outro lado e, sobretudo, que o educando vá assumindo o papel de sujeitoda produção de sua inteligência do mundo e não apenas o de recebedor da que lhe é transferida pelo professor. Quanto mais me torno capaz de me afirmar como sujeito que pode conhecer tanto melhor desempenho minha aptidão para fazê-lo. (Paulo Freire, 1996, p.140)

Diante disso os processos de ensino aprendizagem podem ser interpretados como um conjunto de atividades que se realizam coletiva e socialmente a partir dos conceitos, experiências e sentimentos que os alunos sujeitos da aprendizagem já possuem, incorporando, através de processos de reflexão-ação, a assimilação ativa de novas interpretações e concepções mais complexas e aprofundadas das inter-relações socioambientais, mediadas cultural e historicamente pelas situações concretas aos quais se encontram inseridas.

 

5. Metodologia

O presente estudo foi conduzido na Escola Estadual Piaçava no município de Nazaré- Tocantins localizada na Zona Rural. A escola consta com123alunos matriculados,sendo 51 destes dos anos iniciais. Para coleta de dados, foram entrevistadascinco professoras  todas licenciadas em pedagogia, sendo que a maioria tem experiência na docência e somente uma professora é iniciante. O procedimento da entrevista foi por meio de um questionário enfocando a prática da Educação ambiental na escola.

Diante das inquietações das professoras,possibilitou-se um estudo teórico dos ParâmetrosCurriculares NacionaisMeio Ambiente proporcionou-se tambémuma oficina metodológica com sequência didática interdisciplinar em Educação Ambiental e posteriormenteacompanhamento das atividades práticas com o envolvimento dos alunos, tendo como foco a incorporação de atitudes de educação ambiental no ambiente escolarvisto que as ações desenvolvidas no âmbito educacional refletiram significativamente na sociedade local sendo visíveis as pequenas ações transformadoras dos estudantes no ambiente escolar na família e comunidade o que favorece noções básicas para a questão ambiental.

Figura 1- Momento de estudo e oficina com as professoras.

6. Resultados e discussão

A maioria das professoras entrevistadas declarou que restringem o tema Meio Ambiente a uma disciplina específica (Tabela 1). Essas disciplinas são, habitualmente, Ciências e Geografia. Apenas uma declarou tratar de um tema transversal e interdisciplinar.

Tabela 1 – A forma como o professor desenvolve a temática ambiental na unidade.

 

 

Métodos de Desenvolvimento da

Educação Ambiental na UE

 

Turmas

1º ano

2º ano

3º ano

4º ano

5º ano

Disciplina específica

x

x

 

x

x

Projeto

 

 

 

 

x

Interdisciplinar

 

 

X

 

 

 

Nos depoimentos, as professoras disseram que necessitam de orientação por parte da equipe pedagógica.

 

Tabela2 - Participação do professor em formação continuada em Educação Ambiental.

Professores

Não

Sim

1º ANO

x

 

2º ANO

x

 

3º ANO

x

 

4º ANO

x

 

5º ANO

 

x

 

A pesquisa denota que a temática Meio Ambiente vem sendo tratada de forma tradicional, não incorporando a recomendação de especialista de tratá-la de forma interdisciplinar e, conforme recomenda a Lei de Educação Ambiental, não deveria ser tratada como uma disciplina específica.  “[...] os conteúdos de meio ambiente serão integrados ao currículo através da transversalidade, pois serão tratados nas diversas áreas de conhecimento, de modo a impregnar toda prática educativa e, ao mesmo tempo, criar uma visão global e abrangente da questão ambiental’’(PCN, 2007, p. 36). Mas para isso faz-se necessário por parte do professor uma busca incessante de conhecimento e o que se evidencia é uma realidade contraria (tabela-2). Também é primordial que a escola proporcione essa oportunidadede busca de conhecimento para que o professor possa conhecer cada vez melhor a temática , possibilitando assim a integração aos diversos conteúdos e abordar de forma segura  e eficaz. Isso implica compreender que a formação constitui-se de duas dimensões: a formação teórica e a prática.

 

Tabela3 – Principais dificuldades enfrentadas no desenvolvimento da Educação Ambiental na Escola.

Dificuldades

Turmas

1º ano

2º ano

3º ano

4º ano

5º ano

Falta de recursos financeiros

x

x

x

x

x

Falta de capacitações

 

x

x

x

x

x

Carência de conteúdos nos livros didáticos

x

 

 

x

 

Falta de comprometimento da equipe gestora

 

x

x

x

 

 

Falta de motivação

x

x

x

x

x

 

É possível afirmar que as dificuldades encontradas pelos docentes são decorrentes dos desafios enfrentados no desenvolvimento da educação ambiental na escola e como barreira para o desenvolvimento da práxis na unidade escolar atrelaram suas dificuldadesprincipalmente no que  dizem respeito a questões financeiras  e a capacitações, poucos profissionais culparam  a carência de conteúdos nos livros didáticos e quanto a falta de comprometimento da equipe gestora da Unidade Escolar é ressaltado  a falta de liderar e dá andamento a projetos existentes na escola.

Percebe-se também que grande parte dos problemas encontrados pelas professoras diz respeito primordialmente à falta de motivação do grupo, pois após um breve estudo do tema Educação Ambiental, debate, oficinas percebeu-se o quanto pequenas ações são primordiais a mudanças de atitudes.

Na realização efetiva dos trabalhos notam-se mudanças de postura do professor com as novas estratégias usadas no desenvolvimento de práticas eficientes, capazes de provocar no aluno atitudes transformadoras, isso porque as professoras demonstraram o uso de inovações metodológicas enfatizando constantemente a questão ambiental através de aulas: interdisciplinares, aula de campo, produção escrita, pesquisa, dentre outras possibilidades dando consistência a Educação Ambientale  incorporando esse    conhecimento necessário e essencial nos dias atuais para os alunos.

Conclusão

Como resultado, espera-se que com este trabalho os professores dos anos iniciais do ensino fundamental se motivem mais a incorporar ações teórico-práticas no planejamento de aulas interdisciplinares, valorizando os conhecimentos prévios dos estudantes e favorecendo-os a uma aprendizagem dinâmica, lúdica e de significados não somente momentâneos mas para toda a vida

8. Referências bibliográficas

CONSTITUIÇÃO, BRASIL(1988). 2. Emenda Constitucional. 3. Revisão Constitucional, Brasília, titulo-1

Diretrizes Curriculares Nacionais Para Educação Ambiental. Disponível em: <http:// Portal.mec.gov dm documentos publicados 13 pdf. Ministério da Educação

PAULO FREIRE, Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários a Pratica educativa. São Paulo: Paze Terra, 1996.

Parâmetros curriculares nacionais. 2. Meio Ambiente. 3. Saúde: Ensino de primeira à quarta série. Brasília 1997.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias