ISSN 1678-0701
Número 72 (volume 19, série 3)
Setembro-Novembro/2020
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Notícias     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Entrevistas     Saber do Fazer     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     O Eco das Vozes     Relatos de Experiências
 
Relatos de Experiências

No. 72 - 03/09/2020
AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS MORADORES DO BAIRRO MONTESE, REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4031 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS MORADORES DO BAIRRO MONTESE, REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA

Bianca Cristina Cirino Saraiva1; Luana Costa da Silva 2; Lorena Fernanda Araújo Soares3; Glênea Rafaela da Costa4; Denílson do Socorro Pinheiro Martins 5; Milena Marília Nogueira de Andrade6

1Mestranda em Biodiversidade e Conservação, Universidade Federal do Pará. E-mail: biancasaraiva.ufra@gmail.com.

2 Engenheira Ambiental e de Energias Renováveis, Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: luanacostaisaias@gmail.com.

3 Mestranda em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Pará. E-mail: lorenaasoaares@gmail.com.

4 Engenheira Ambiental e de Energias Renováveis, Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: g_rafaela_91@hotmail.com.

5Discente de Engenharia Ambiental e de Energias Renováveis, Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: denilsonmartinsufra2015@gmail.com.

6Doutora em Desenvolvimento Socioambiental, Universidade Federal Rural da Amazônia. E-mail: milenamarilia@yahoo.com.br.



RESUMO

Este é um relato de experiência de uma prática de campo do curso de graduação em Engenharia Ambiental e de Energias Renováveis que teve como objetivo identificar as ações de educação ambiental dos moradores do bairro Montese. Para isso, foi realizada uma pesquisa qualitativa com aplicação de questionário e duas entrevistas sobre coleta seletiva, resíduos sólidos e educação ambiental. Constatou-se que os moradores entrevistados têm baixo conhecimento a respeito dos assuntos indagados, logo é necessário maior sensibilização e apoio financeiro para colocar em prática a educação ambiental.

Palavras-chaves: Políticas públicas; Pesquisa qualitativa; Sensibilização.



ABSTRACT

This paper is an experience report of a field practice of the Environmental Engineering and Renewable Energy graduate course that aimed to evaluate the environmental education actions of the Montese neighborhood. For this, a qualitative research was carried out with the application of a questionnaire and two interviews on selective collection, solid waste and environmental education. It was found that the interviewed residents have little knowledge about the subjects being asked, so greater awareness and financial support is needed to put environmental education into practice.

Keywords: Public policy; Qualitative research; Awareness.



INTRODUÇÃO

O ambiente está em processo contínuo e dinâmico de transformação, decorrente de fenômenos naturais e ações antrópicas. Ações de educação ambiental devem contemplar essas alterações, considerando que os grupos sociais, devido a fatores econômicos, culturais e históricos utilizam os recursos naturais disponíveis de maneiras diferentes (MEYER, 1991). Por isso, é necessário verificar a relação entre a forma de ocupação e a capacidade de praticar conhecimentos e habilidades necessárias à conservação e melhoria da qualidade ambiental e consequentemente de vida (OLIVEIRA; SANTOS; VIANA, 2016).

A ocupação do bairro Montese, localizado próximo ao centro de Belém, no estado do Pará, se deu de forma espontânea e sem planejamento, o que explica sua irregularidade espacial. Aspectos das redes de infraestrutura e dos serviços urbanos são escassos e impactam diretamente as bacias hidrográficas locais (DIAS et al., 2013). A produção do lixo e a ausência de serviços de limpeza e manutenção nos dispositivos de drenagem impactam diretamente os recursos hídricos e o solo e aumentam as fragilidades ambientais (MENDONÇA; LEITÃO, 2008; HENRIQUE, 2007).

A disposição inadequada de resíduos sólidos resulta, em muitos casos, em ruas alagadas devido ao insuficiente saneamento básico e a falta de educação ambiental da população. O poder público municipal é responsável por realizar a coleta, o transporte, o acondicionamento, o tratamento e a eliminação dos resíduos sólidos urbanos (BRASIL, 2011). Contudo, no Brasil 58% dos resíduos sólidos gerados são destinados incorretamente (ABRAPEL, 2012). As ações de educação ambiental podem mobilizar as pessoas para conscientização de seu papel na redução dos impactos ambientais em seu local de vivência (FRIEDE et al., 2019).

A educação ambiental é um processo contínuo, onde os indivíduos e a comunidade tomam consciência do meio ambiente e adquirem os conhecimentos, os valores, as habilidades, as experiências e a determinação que os possibilita a agir individual e coletivamente para resolver problemas ambientais (DIAS, 1992). A partir disso, nota-se a necessidade de realizar estudos e projetos com o intuito de sensibilizar a população dentro das periferias, que são os principais afetados com os problemas ambientais, ressaltando-se a importância da relação entre a sociedade e a natureza (BAUM et al.,2012). A participação e a mobilização social para a conservação do meio ambiente tornam-se significativas, principalmente quando relacionadas ao poder público, já que auxiliam na criação de instrumentos e ferramentas do sistema de gestão ambiental (RODRIGUES et al., 2012).

Este relato de experiência de uma prática de campo de graduação do curso de Engenharia Ambiental e de Energias Renováveis identificou as ações de educação ambiental dos moradores no bairro Montese1.



MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi desenvolvido no bairro Montese, localizado no município de Belém no estado do Pará, latitude 1°27'25.23"S e longitude 48°27'4.93"O (Figura 1). É um bairro de periferia que teve sua ocupação iniciada em 1930 e a partir de 1950 sua ocupação foi ampliada com migrantes do interior do estado do Pará (ALVES 2010). Ainda de acordo com este autor, a habitação de palafita, com estrutura madeira, sobre áreas alagadas é frequente no bairro. O relevo é de baixa declividade com áreas alagáveis (PONTES et al., 2017).