ISSN 1678-0701
Número 61, Ano XVI.
Setembro-Novembro/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

11/09/2017UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA MAPEAR A ABUNDÂNCIA DA AVE NEOPELMA PALLESCENS EM UMA RESERVA BIOLÓGICA DO NORDESTE DO BRASIL  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2874 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTASCOMPUTACIONAIS PARA MAPEAR A ABUNDÂNCIA DA AVE NEOPELMA PALLESCENSEM UMA RESERVA BIOLÓGICA DO NORDESTE DO BRASIL

 

 

Thayz Rodrigues Enedino1, Dimítri de Araújo Costa2, Andrei Langeloh Roos3, Nadjacleia Vilar Almeida4, Gil Dutra Furtado5

 

 

1Bacharel em Ecologia/Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Mestre em Biodiversidade/UFPB, Licencianda em Ciências Biológicas/UFPB. E-mail: thayzsuzuky@yahoo.com.br

 

2Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas/UFPB, Mestre em Ecologia e Monitoramento Ambiental/UFPB, Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. E-mail: costa.researcher@yahoo.com.br

 

3Bacharel em Ciências Biológicas/Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Mestre em Ecologia/Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Analista Ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Doutorando em Ecologia/UFSC. E-mail: andrei.roos@icmbio.gov.br

 

4Bacharel e Licenciada em Geografia/UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Doutora em Geografia/Universidade Federal Fluminense, Professora Adjunta do curso de graduação em Ecologia/UFPB (Campus IV). E-mail: nadjacleia@ccae.ufpb.br

 

5Engenheiro Agrônomo/UFPB, Especialista em Psicopedagogia/UNINTER, Mestre em Manejo de Solo e Água/UFPB, Doutor em Psicobiologia/UFRN, Pós-Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Professor Colaborador do PRODEMA/UFPB. E-mail: gdfurtado@hotmail.com

 

 

RESUMO.O Brasil possui a segunda maior riqueza de aves do mundo, totalizando 1.840 espécies. Na Paraíba, a REBIO Guaribas, com a vegetação de Cerrado,abriga espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção. A espécie Neopelma pallescens é a mais abundante na reserva, isso de acordo com registro de 2009 a 2011. A aveN. pallescens pertence à ordem Passeriforme, família Pipridae, endêmica do Brasil e popularmente conhecida como fruxu-do-cerradão, vive no cerradão e é característico do bioma caatinga. O objetivo deste trabalho é saber a riqueza de espécie da N. pallescens através de levantamentos teóricos e listas dos registros de captura e recaptura das aves estudadas.Foram utilizadas as ferramentas computacionais “Esri® ArcMap™” e“Google Earth™” para elaboração de mapeamento da área de estudo. Foram capturadas 835 capturadas aves (500 da espécie N. pallescens), na qual 548 indivíduos foram anilhados. Concluímos que é necessário fazer um trabalho de conscientização para a conservação desta Reserva Biológica e seus elementos naturais.

 

Palavras-chave: Endemismo, Paraíba, REBIO Guaribas, Riqueza específica.

 

 

USEOFCOMPUTATIONAL TOOLS TO MAP THE ABUNDANCE OF THE BIRD NEOPELMA PALLESCENSIN A BIOLOGICAL RESERVE FROM NORTHEAST OF BRAZIL

 

ABSTRACT. Brazil has the second highest richness of birds in the world, totaling 1,840 species. In Paraíba, “REBIOGuaribas”, with the Cerrado vegetation, is home to rare, endemic and endangered species. The species Neopelma pallescens is the most abundant in the reserve, according to records from 2009 to 2011. The bird N. pallescens belongs to the order Passeriformes, family Pipridae, endemic to Brazil and popularly known as “fruxu-do-cerradão”, living in the “cerradão” and is characteristic of the Caatinga biome. The objective of this work is to know the species richness of N. pallescens through theoretical surveys and lists of capture and recapture records of birds studied. The computational tools “Esri® ArcMap™” and “Google Earth™”were used to elaborate mapping of the study area. 835birdswere captured (500 of the species N. pallescens), in which 548 individuals were banded. We conclude that it is necessary to make an awareness for the conservation of this Biological Reserve and its natural elements.

 

Keywords:Endemism,Paraíba, REBIO Guaribas, Speciesrichness.

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

As aves constituem um grupo taxonômico com grande variedade de formas adaptadas aos gradientes de atributos dos habitats (MARINI, 1989; MOTTA-JÚNIOR, 1991; PAES, 1993). O Brasil possui a segunda maior riqueza de aves do mundo, incluindo tanto as espécies que residem no país, ou seja, aves que se reproduzem aqui, quanto aves visitantes. O total de espécies registrado no país chega a 1.840 espécies (CBRO, 2008).

A Reserva Biológica (REBIO) Guaribas é formada pelo fragmento de tabuleiro localizada no estado da Paraíba e abriga espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção, com intuito de conservação da diversidade biológica (MMA/IBAMA, 2003). Nesta REBIOsãoencontrados diversos tipos de aves, no entanto, a espécie Neopelma pallescens(Lafresnaye, 1853) é a mais abundante de acordo com levantamentos realizados em 2009 a 2011 por e Araújo (2010) e Teixeira (2011). 

A aveNeopelma pallescens pertence à ordem Passeriforme, família Pipridae, endêmica do Brasil, típico de cerrado e caatinga, encontrada na maioria dos países da América do Sul, incluindo o Brasil.Seu status de conservaçãoé reconhecido como pouca preocupação de extinção (“LeastConcern”) (SICK, 1997; BIRDLIFE INTERNATIONAL, 2016). Popularmente conhecida como fruxu-do-cerradão (ou “Pale-bellied Neopelma”, no inglês), esta espécie vive no cerradão, próximo à vegetação seca,encontrada comumente no bioma caatinga. Durante o acasalamento,os machos vocalizampara as fêmeas, saltando verticalmente para cima, batendo as asas até atrair sua parceira (SIGRIST, 2009).

Quando adultos, sua dieta é predominantemente insetívora, e medem cerca de 14 cm de comprimento, possuindo um topete amarelo claro quando,apresentam o corpo composto de plumagem verde claro e amarelo, na região do abdome a pena é esbranquiçada, seu bico e caudal são curtos, sua garganta é ligeiramente estriada e seu hábito característico é diurno (SIGRIST,2009).

Na Paraíba, a espécieNeopelma pallescens é uma ave bastante capturada na REBIO Guaribas, especificamente no SEMA 2, com localização no município de Mamanguape. Neste local, a CEMAVE (Centro Nacional de Pesquisa para Conservação das Aves Silvestres) realizou a pesquisa,e constatou um índice alto deste pássaro.

Para a realização desses estudos foinecessário o usoda ferramenta computacionaldenominada“Esri® ArcMap™”, que faz parte da aplicação do programa“Esri® ArcGISTM” versão 9.2 (ESRI, 2006),com a finalidade de mapear a área de estudo. O “Google Earth™” também foi utilizado para demarcar os pontosgeorreferenciados no “Grid” de trilha,no qual estes foram registrados pelo “GPS Garmin”, e transferido ao programa.

Neste sentido, o principal objetivo deste trabalho é saber a riqueza da espécieNeopelma pallescens em um fragmento de Cerrado na REBIO Guaribas através de um levantamento teórico,com auxílio da tabela constando os dados decorrentes de 2009 a 2011.

 

 

 

MATERIAL E MÉTODOS

 

Área de estudo

 

O estudo foi realizado na Reserva Biológica Guaribas,especificamente no SEMA 2,localizado no Bioma Floresta Atlântica, entre os meses de agosto de 2009 a abril de 2011. Foram realizados levantamentos bibliográficos para se saber a abundância da Neopelma pallescens na reserva.

A REBIO Guaribas está localizada nos municípios de Rio Tinto e Mamanguape, entre as coordenadas geográficas 6º44’02”S / 35º10’32”W e 6º40’53”S / 35º09'59"W (Figura 1), no litoral norte do Estado da Paraíba, a 70 Km da capital João Pessoa. Possui uma ampla extensão territorial, com 4.321 ha, dividindo-se em três áreas: SEMA 1, SEMA 2 e SEMA 3 (MMA/IBAMA, 2003; ARAÚJO, 2010).

 

 

 

Figura 1.Mapa de localização da Reserva Biológica Guaribas, municípios de Mamanguape e Rio Tinto, estado da Paraíba, Nordeste do Brasil.

 

 

Procedimentos Metodológicos

           

Foi elaborado no “Google Earth™”uma grade de trilhas de 250 m x 450 m com pontos marcados a cada 50 metros, totalizando 6 trilhas com 10 pontos cada (Figura 2). Nessas trilhas, foram montadas linhas de redes de neblina (malhas 36 mm e tamanho 12 m x 2,5m) para a captura das aves. As redes foram montadas em três linhas com cinco redes cada, e sendo operadas por até dois dias no mesmo local, durante toda a manhã das 5:00 até as 10:00 (ARAÚJO, 2010).

Foi utilizado para calcular o esforço de captura a fórmula: E = área x h x n, onde E é o esforço de captura; área é a área de cada rede (altura x comprimento da rede); h é o tempo que a rede ficou exposta (número de horas x número de dias); n é o número de redes utilizadas (STRAUBE; BIANCONI 2002; ARAÚJO, 2010).

Após a captura e identificação, os espécimes foram marcados com anilhas metálicas fornecidas pelo CEMAVE. Outros dados como medidas biométricas e dados sobre reprodução também foram coletadas e quanto à manipulação das aves, seguiu-se os protocolos estabelecidos pelo IBAMA (IBAMA, 1994).

 

utiliza.jpg

Figura 2. “Grid” de trilha com a delimitação da área de estudo na REBIO Guaribas – PB (Fonte: Google Earth™).

 

 

A ferramenta computacional“Google Earth™”tem o objetivo de expor um modelo tridimensional do nosso planeta, através de diversas fontes de imagens (i.e.fotografadas de aeronaves, de satélite e GIS 3D). Este programa permite a elaboração de mapas em 2D, identificando diversas localidades do globo terrestre (WIKIPÉDIA, 2017).

Os pontos foram georreferenciados no SEMA 2, localizado no município de Mamanguapee, em seguida,foram plotados no programada empresa “Google™”. Posteriormente, os pontos foramnumerados de A1 a F10,já que o “Grid” é constituído de 6 trilhas, e cada trilha com pontos de 1 a 10, totalizando 60 pontos(Figura 3).

 

utiliza2.jpg

 

Figura 3.Detalhe do“Grid” de trilhas localizada em área de vegetação de Tabuleiro na REBIO Guaribas (Fonte: Google Earth™).

 

 

A ferramenta“Esri® ArcMap™”é utilizada para a elaboração e investigação de mapas(GEOLAB, 2007). Neste aplicativo, foi elaborado o mapa de localização do SEMA 2, onde no local da Reserva (SEMA 2)foiconstatadaa espécie Neopelma pallescens.

Esta área daREBIO está constituída por uma vegetação de tabuleiros (Figura4), comaltitude máxima registrada de 204 metros. As temperaturas médias anuais na área da REBIO variam entre 24°C e 26°C e quanto às temperaturas máximas, os meses de dezembro e fevereiro possuem as maiores médias, entre 28° C e 30° C. A máxima absoluta anual é de 36° C (MMA/IBAMA, 2003).

 

Figura4.Vegetação de tabuleiro da REBIO Guaribas, no SEMA 2. (Foto: T.R Enedino).

 

 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

 

No presente trabalho foram realizadas 20 expedições entre os meses de agosto de 2009 a abril de 2011 com área total percorrida de 50.095 h.m². Foram registradas 835 capturas de aves, destas 548foram anilhadas, representando um total de 21 espécies (Tabela 1, Figura 5).A espécie mais abundante foi o fruxo-do-cerradão(Figura 6), com 500 indivíduos.

 

 

Tabela 1. Lista das espécies capturadas, e número de capturas (NC).

 

Espécie

NC

1.    Arremontaciturnus

16

2.    Basileuterusculicivorus

12

3.    Basileuterusflaveolus

8

4.    Chiroxiphiapareola

9

5.    Coerebaflaveola

10

6.    Columbina talpacoti

5

7.    Cyanerpescyaneus

21

8.    Dacniscayana

16

9.    Elaeniacristata

41

10. Formicivoragrisea

24

11. Hemitriccusmargaritaceiventer

31

12. Momotusmomota

2

13. Neopelma pallescens

500

14. Tachyphonusrufus

27

15. Tangara cayana

48

16. Thamnophiluspelzeni

16

17. Tolmomyasflaviventres

6

18. Trogoncurucui

7

19. Turdusleucomelas

5

20. Vireo olivaceus

21

21. Xenopsrutilans

10

TOTAL:

835

 

 

 

 

 

Figura 5. Gráfico em barra, representando a abundância total das aves.

 

 

 

Figura 6. Ave Neopelma pallescens, no estágio adulto (Foto: T.R. Enedino).

 

 

            Para saber a abundância da espécie Neopelma pallescensno SEMA 2,foram elaboradospolígonos nos pontos registrados em cada linha do “Grid” de Trilha, por meio dosaplicativos“Esri® ArcMap™” e “Google Earth™”,e assim, o registro foifeito de acordo com as normas de captura, com os status 2, que significa “recaptura” e status 3,“recuperação” de aves.

            No ano de 2009, foram registrados 10 pontos no “Grid” de trilha, com uma abundância significativa da espécie Neopelma pallescens, totalizando 105 indivíduos. A figura 7 apresentao status 3 de recuperação, além dos polígonos 1 e 2 construídos no programa “Esri® ArcMap™”.

Foi constatado que o fruxu-do-cerradão é apresenta grande abundância em boa parte do polígono 1. Além disso, o polígono 2 que representa outra parcela de aves em que também têm alto volume de espécie capturadas.

Foi constatado que o fruxu-do-cerradão apresenta grande abundância em boa parte do polígono 1. Além disso, o polígono 2 representa outra parcela de aves, com alta diversidade de espécies capturadas.

 

 

 

Figura 7.“Grid” de Trilha para abundância da espécieNeopelma pallescens (Fonte: Google Earth™).

                       

 

Williams (1964) indicou que uma correlação entre a área e a diversidade de hábitats permite que ocorra a relação entre a área e o número de espécies. Desta forma, infere-se que quanto maior uma área, maior será a diversidade de hábitats, promovendo um aumento da riqueza específica. Portanto, o nível de heterogeneidade da vegetação torna-se a variável do habitat mais importante (BOECKLEN, 1986), comumente estando diretamente relacionada à diversidade de aves.

No “Grid” de Trilha com o status 2 de recuperação, correspondente ano de 2009 (Figura 8), que o número de aves registradas aumentou para 110, ou seja, mais pontos foram encontrados resultando em um acréscimo na abundância de espécie.

 

 

Figura 8.Grid” de Trilha para abundância das Neopelma pallescens, no ano de 2009 (Fonte: Google Earth™).

 

 

            No levantamento elaborado em 2010 pelo CEMAVE na REBIO Guaribas, o estudo da abundância da espécie Neopelma pallescens continuou a subir, i.e. foram registradas mais aves no “Grid” de trilha, localizado no SEMA 2. Pode-se observar então, que depois de 12 meses a espécie adquiriu adaptações específicas para se sobressair no local,aumentando sua prole.Na figura 9,percebe-se que a forma dos polígonos mudou, como também há a presença de 3 deles,com umnúmero registrado de 130 aves durante 6 meses (janeiro a junho).

 

 

Figura 9.Grid” de Trilha de recaptura para abundância da espécieNeopelma pallescens, no ano de 2010 (Fonte: Google Earth™).

 

 

No status 2,no ano de 2010 (Figura 10), o número de aves recuperadas diminuiu para 20, pois o tamanho da amostra foi menor, correspondendo a 2 meses. Por esse motivo,pode-se dizer que quando a coleta de dados é reduzida,a tendência é que o número de indivíduos também seja menor.

 

Figura 10.Grid” de Trilha para abundância da espécieNeopelma pallescens, no ano de 2010 (Fonte: Google Earth™).

 

 

Um fator essencial para a distribuição e riqueza de aves é a composição florística de uma floresta, pois cada espécie apresenta formas peculiares de comportamento de forrageamento e utilização do habitat, dependendo da planta que estiver no local (KARR, 1990). Assim, a maior riqueza de aves é determinada pela maior variedade de plantas, as quais apresentam maior disponibilidade de recursos alimentares (HOLMES, 1990).

Na REBIO Guaribas, é bastante comum encontrar vários tipos de plantas da famíliaRubiacea, Sapotaceae, Bignoniaceae, Caesalpiniaceae, Fabaceae, Moraceae e Lecythidaceae, representadas pelas espécies Manilkarasalzmanii(Maçaranduba), Tabebuia spp.(Pau d’arco), Apuleialeiocarpa(Jitaí-amarelo), Bowdichiavirgilioides(Sucupira-do-cerrado),Carinianalegalis(Jequitibá Rosa), Lecythisluschnathii(Sucupira), entre outras (MMA/IBAMA, 2003).

Na figura 11,a abundância dofruxu-do-cerradão aumentou para 135 no ano de 2011, com a classificação do status 3 nomeado de recuperação, no qual esta ave foi bem sucedida. No polígono 9, a área ocupada pelas aves começa da linha zero e vai até a última, com a localização dos pontos no “Grid” de A3 até F2.

 

 

 

Figura 11.Grid” de Trilha para abundância da espécieNeopelma pallescens, no ano de 2011 (Fonte: Google Earth™).

 

 

A aveNeopelma pallescens é uma espécie endêmica, e este comportamento territorialista que ocupa boa parte do “Grid” de trilha nestareserva biológica é esclarecido através desse hábito da avifauna. Das espécies endêmicas do Cerrado, apenas seis foram estudadas no campo por pelo menos um ano (MARINI; GARCIA 2005). Além disso,um aspecto essencial para a conservação é a identificaçãode sublocalidades de endemismo neste bioma (SILVA; BATES, 2002).

No último “Grid” de trilha (Figura 12), a abundância da espécie Neopelma pallescens ficou restrita apenas com 5 indivíduos, inseridos dentro da delimitação de um único polígono. Isto ocorreu provavelmente devido aos avanços da ação antrópicas e desmatamento na REBIO Guaribas, já que é perto de uma comunidade urbana.

 

 

Figura 12.Grid” de Trilha para abundância da espécieNeopelma pallescens, no ano de 2011 (Fonte: Google Earth™).

 

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Os programas computacionais“Esri® ArcMap™” e“Google Earth™”foram eficientes para analisar a abundância da espécie Neopelma pallescens na REBIO Guaribas.Além disso, o presente estudo poderá permitir a utilização de outras espécies em futuras pesquisas de ecologia, como foco na conservação.

Desta forma, pretende-se contribuir para a atualização do conhecimento da avifauna desta região, que é formada de tabuleiros, e sugere a necessidade de maior atenção quanto à proteção das áreas próximas e de entorno da REBIO. Isto porque a estrutura de sua avifauna sofre pela ação do impacto antrópico, e a avifauna nativa necessita de áreas mais extensas para forragear, sobretudo em períodos de estiagem.

 

 

 

AGRADECIMENTOS

 

Agradecemos a Saulo Roberto de Oliveira Vital pelo fornecimento do tutorial para montar os polígonos. Ao Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação das Aves Silvestres(CEMAVE) por conceder as anilhas, e assim, podemos identificar as espécies de aves. Agradecemos às facilidades disponibilizadas pela Universidade Federal da Paraíba.

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

ARAÚJO, J. L. B. Estudo da dieta da avifauna de Tabuleiro na REBIO Guaribas, Paraíba, Brasil. Relatório Final PIBIC/ICMBio, 2010.

 

BIRDLIFE INTERNATIONAL. Neopelma pallescens. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22701183A93816714, 2016.Disponível em: <http://www.iucnredlist.org/details/22701183/0>.Acesso em: 27 jun. 2017.

 

BOECKLEN, W.J. Effects of habitat heterogeneity on the species-area relationships of forest birds. JournalofBiogeography, v. 13, p. 59-68, 1986.

 

COMITÊ BRASILEIRO DE REGISTROS ORNITOLÓGICOS. CBRO. Lista das aves do Brasil. 10ed. 2008.Disponível em: <http://www.cbro.org.br>. Acesso em: 20 jul.2011.

 

ESRI. Software ArcGIS 9.2, 2006. Disponível em: <http://www.esri.com> Acesso em: 20 jul. 2011.

 

GEOLAB. Laboratório de Geoprocessamento da UDESC. Tutorial do ARCMAP, 2011. Disponível em: <http://www.geolab.faed.udesc.br>.Acessoem: 20 jul. 2011.

 

HOLMES, R.T. Food resource availability and use in forest bird communities: a comparative view and critique. In: KEAST, A. Biogeography and ecology of forest bird communities. The Hague: SPB AcademicPublishing,1990. cap. 27, p. 387-393.

 

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. IBAMA. Manual de Anilhamento de Aves Silvestres. 2 ed. Brasília, 1994.

 

KARR, J.R. Interactions between forest birds and their habitats: a comparative synthesis.In: KEAST, A. Biogeography and ecology of forest bird communities. The Hague: SPB AcademicPublishing, 1990. cap. 26, p. 379-386.

 

MARINI, M. A. Seleção de habitat e socialidade em Antilophiagaleata(Aves: Pipridae).Dissertação (Mestrado em Ecologia), Universidade de Brasília, Brasília, 1989.

 

MARINI, M. A.;GARCIA, F. I. Conservação de aves no Brasil. Megadiversidade, v.1, p. 95-102, 2005.

 

MMA/IBAMA (Ministério do MeioAmbiente/InstitutoBrasileiro do Meio Ambiente e dos RecursosNaturais Renováveis). Plano de Manejo da Reserva Biológica Guaribas. CHESF, MRS Estudos Ambientais, Brasília, 2003.

 

MOTTA-JÚNIOR, J. C. A exploração de frutos como alimento por aves de mata ciliar numa região de Distrito Federal. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas), Universidade Estadual Paulista,Rio Claro, 1991.

 

PAES, M. M. N. Utilização de frutos por aves em uma área de cerrado do DF. Dissertação(Mestrado em Ecologia), Universidade de Brasília, Brasília, 1993.

 

SICK, H. Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1997.

 

SIGRIST, T. Aves do Brasil: uma visão artística. 2 ed. São Paulo: Avis Brasilis, 2009.

 

SILVA, J.M.C.;BATES, J.M. Biogeographic patterns and conservation in the South American cerrado: A tropical savanna hotspot. Bioscience, v.52, p. 225-233, 2002.

 

STRAUBE, F. C.; BIANCONI, G. V. Sobre a grandeza e a unidade utilizada para estimar esforço de captura com utilização de redes-de-neblina. Chiroptera Neotropical, v. 8, n. 1-2, p. 150-152, 2002.

 

TEIXEIRA, D. G. Estudo da reprodução e muda de penas da avifauna de Tabuleiro na REBIO Guaribas.Relatório parcial PIBIC/ICMBio, 2011.

 

WIKIPÉDIA. 2017. Google Earth™. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Google_Earth>.Acessoem: 28 jun. 2017.

 

WILLIAMS, C.B. Patterns in the balance of nature. New York: New York Academic Press, 1964.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias