ISSN 1678-0701
Número 61, Ano XVI.
Setembro-Novembro/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

11/09/2017CONSCIENTIZAR OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A IMPORTÂNCIA DE PRESERVAR O MEIO AMBIENTE.  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2883 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

CONSCIENTIZAR OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A IMPORTÂNCIA DE PRESERVAR O MEIO AMBIENTE.

 

Loraine Victória Rodrigues de Barros

Graduada em Pedagogia/UFMS, cursando pós-graduação em Educação Ambiental em Espaços Educadores Sustentáveis/UFMS. Email: lora.barros@yaho.com.br

 

Maria Celina Piazza Recena

Orientadora do artigo final do curso de pós-graduação em Educação Ambiental em Espaços Educadores Sustentáveis/UFMS. Email: celina.recena@ufms.br

 

 

 

 

RESUMO

O presente artigo refere-se às atividades voltadas à conscientização ambiental dos alunos da Educação Infantil, buscando o interesse das crianças pelos assuntos relacionados a esse tema. O público alvo foram os alunos da Pré-escola, totalizando o número de 25 crianças, com idade entre 4 a 6 anos, da escola pública do município de Campo Grande/MS. Para isso, foram oportunizadas atividades práticas e didáticas sobre os problemas ambientais, principalmente o lixo que afeta nossas vidas e a preservação do meio ambiente, visando contribuir para desenvolver nas crianças atitudes de cuidado com o meio onde vivem, proporcionando oportunidades de aquisição de conhecimentos, valores, atitudes e interesse ativo para protegê-lo e melhorá-lo. Através das rodas de conversas e atividades variadas, as crianças construíram conhecimentos sobre o lixo produzido na escola, percebendo como podem e devem exercer ali um importante papel social de melhoria da qualidade de vida no ambiente em que vivem. As crianças foram incentivadas a participar e levar essa preocupação aos adultos. Portanto, compreende-se que a Educação Ambiental pode ser e deve ser desenvolvida na Educação infantil, pois as crianças estão sempre dispostas a novos conhecimentos, informações e reflexões sobre os assuntos ligados a Educação Ambiental, tornando-os conscientes e atentos a tudo o que acontece ao seu redor.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambienta; Educação Infantil; Conscientização ambiental.

 

ABSTRAT

This article refers to the activities aimed at the environmental awareness of the students of Early Childhood Education, seeking the interest of the children in the subjects related to this theme. The target audience was the pre-school students, totaling the number of 25 children, aged 4 to 6 years, from the public school of the municipality of Campo Grande / MS. For this, practical and didactic activities on environmental problems, especially the garbage that affects our lives and the preservation of the environment, were offered, aiming to contribute to develop in children attitudes of care with the environment where they live, providing opportunities to acquire knowledge, Values, attitudes and active interest to protect and improve it. Through the wheels of conversation and varied activities, children have built up knowledge about the garbage produced at school, realizing how they can and should play an important social role in improving the quality of life in the environment in which they live. Children were encouraged to participate and bring this concern to adults. Therefore, it is understood that Environmental Education can and should be developed in the Education of children, since children are always willing to new knowledge, information and reflections on the subjects related to Environmental Education, making them aware and attentive to everything that Happens around you.

INTRODUÇÃO

1.    EDUCAÇÃO AMBIENTAL

 

           Definindo educação ambiental Meirelles e Santos (2005, pg.34) dizem:

 

A educação ambiental, e uma atividade meio que não pode ser percebida como mero desenvolvimento de “brincadeiras” com crianças e promoção de eventos em datas comemorativas ao meio ambiente. Na verdade, as chamadas brincadeiras e os eventos são parte de um processo de construção de conhecimento que tem o objetivo de levar a uma mudança de atitude. O trabalho lúdico e reflexivo e dinâmico e respeita o saber anterior das pessoas envolvidas.

 

            A Educação Ambiental pode ser definida como um processo que visa desenvolver uma população que seja consciente e preocupada com o ambiente e com os problemas que lhe são associados, e que tenham conhecimentos, habilidades, atitudes, motivações e compromissos para trabalhar individual e coletivamente na busca de soluções para os problemas existentes e para a prevenção de novos. É uma importante ferramenta, uma vez que sua implementação está prevista na Política Nacional da Educação Ambiental para todos os níveis de ensino, não como disciplina, mas como tema a ser incluído nos diferentes conteúdos programáticos. Para que o professor possa traçar estratégias de trabalho com educação ambiental na educação infantil, é importante conceituar bem essa fase, que corresponde à educação oferecida do nascimento até e os seis anos de idade.                  

           Considerada nos dias atuais como indispensável, é ela que vai oferecer os fundamentos para o desenvolvimento da criança em seus diversos aspectos: físico, psíquico, cognitivo e social.  Nela as crianças buscam ativamente o conhecimento; para elas, brincar é mais importante que a ação mental. É pela brincadeira que ela aprende a conhecer a si própria e o mundo que a cerca. Durante a escolarização, haverá momentos de ação e de concentração, mas o importante é que todas as situações de ensino sejam interessantes.
           O trabalho da educação ambiental, nesse estágio do desenvolvimento, deverá ser levado adiante com base na realidade sociocultural, procurando sempre despertar a autonomia, criticidade e responsabilidade. Terá por base o movimento, a música, as artes visuais, a matemática, a linguagem oral e escrita, a natureza e sociedade, assuntos que devem ser trabalhados constantemente, considerando ainda que as atividades buscam uma interdisciplinaridade entre esses diversos eixos, apresentados de forma conjunta com temas principais.

           O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, no que se refere ao conhecimento do mundo, natureza e sociedade, determina que a ação educativa deve se organizar para que as crianças tenham desenvolvido as seguintes capacidades, conforme a idade: do zero aos três anos devem explorar o ambiente, para que possam se relacionar com pessoas, estabelecer contato com pequenos animais, com plantas e com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse. Dos quatro aos seis anos os conhecimentos anteriores deverão ser aprofundados e ampliados, garantindo-se, ainda, que as elas sejam capazes de interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural, formulando perguntas, imaginando soluções, manifestando opiniões sobre os acontecimentos, buscando informações, confrontando ideias, e estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos, bem como entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem, valorizando sua importância para a preservação das espécies e para a qualidade da vida humana.

 

1.2   A ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

 

Cuidar do destino do nosso meio ambiente é responsabilidade de todos, sendo na escola um lugar favorável à Educação Ambiental pelo fato de ser grande geradora de resíduos. Então, é importante que trabalhemos no sentido de envolver nossos alunos, pais, educadores e funcionários para que esta situação modifique, formando novos hábitos. Partindo do princípio que a educação ambiental é um processo longo e contínuo, devemos mudar nossos hábitos e atitudes de maneira espontânea. 

A Educação Ambiental é muito mais do que conscientizar sobre o lixo, a reciclagem e a poluição. É trabalhar situações que possibilitem a comunidade escolar pensar propostas de intervenção na realidade que nos cerca. Ela será o elo entre todas as disciplinas que favorecerá a valorização da vida e, consequentemente do meio ambiente. Entretanto, na criança é mais fácil desenvolver a sensibilidade, o gosto e o amor pela natureza, já no adulto, algumas vezes, é preciso desenvolver o respeito. Sabemos que o que o meio ambiente não é destruído por falta de conhecimento, mas sim devido ao estágio de desenvolvimento existente no mundo. O trabalho de conscientização da destruição do meio ambiente na escola será para resgatar a necessidade de conciliar a teoria com a prática no dia a dia, garantindo, o futuro do planeta e da humanidade.

A Educação Infantil é um período de efervescência, aprendizagens, descobertas, e é nesse momento que devemos começar a transportar as vivências que as crianças têm para a sala de aula, onde acontecerão às trocas com os colegas e adultos, provenientes de diferentes realidades. Muitas destas experiências se efetivam através do uso da língua, não ficando restrito à aprendizagem de palavras, mas também os seus significados culturais de como as pessoas do seu meio sociocultural entendem, interpretam e representam uma dada realidade.

Devemos ter claro que educar não é um trabalho unilateral, não devendo seguir a abordagem tradicional em que o professor é o que domina os conteúdos organizados e estruturados que são transmitidos aos alunos, cabendo a estes a receptividade e o silêncio; muito pelo contrário, há de ser um ato dialógico, um processo de ensino-aprendizagem, de construção do conhecimento.

As atividades propostas e desenvolvidas com as crianças, no caso, pré-escolares, são compensadoras, pois elas são transparentes, verdadeiras ao serem estimuladas acerca de um determinado assunto e de suas respectivas atividades, participam através da linguagem oral, escrita, corporal. Então, por que não trabalhar com o ambiente em que estão inseridos? Assim, todos participarão dos diálogos propostos, falando de suas casas, da rua, dos vizinhos, ou seja, sua realidade que gera indagações e conclusões. Até porque, conforme o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (RCNEI),esse mundo infantil,

 

“se constitui em um conjunto de fenômenos naturais e sociais indissociáveis diante do qual elas se mostram curiosas e investigativas. Desde muito pequenas, pela interação com o meio natural e social no qual vivem, as crianças aprendem sobre o mundo, fazendo perguntas e procurando respostas às suas indagações e questões. Como integrantes de grupos socioculturais singulares, vivenciam experiências e interagem num contexto de conceitos, valores, ideias, objetos e representações sobre os mais diversos temas a que têm acesso na vida cotidiana, construindo um conjunto de conhecimentos sobre o mundo que as cerca. (Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, BRASIL, 1998,v.3,p.163)”

 

Desta forma, teremos uma noção que tudo está interligado. Somos parte da natureza e não devemos esquecer isto.

Este projeto contempla a necessidade de pequenos atos, que serão responsáveis por grandes transformações que devem ser assumidas por nós, para o resto de nossas vidas e assim estaremos garantindo o futuro de nossas gerações com fraternidade e sustentabilidade.

Na Educação Infantil, primeira etapa da educação básica, a questão ambiental aparece nos objetivos gerais do RCNEI, os quais ressaltam que a criança precisa: “Observar e explorar o ambiente com atitude de curiosidade, percebendo-se cada vez mais como integrante, dependente e agente transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam para sua conservação” (BRASIL, 1998, vol. 1, p.63).

 

 

           2. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A PRÁTICA DOCENTE

 

Ao longo dos tempos, a humanidade cresceu de forma acelerada e isso ocasionou várias consequências ao meio ambiente. Um dos principais fatores de degradação ambiental ocorreu devido ao uso inadequado dos recursos naturais. O homem sempre usou os recursos para atender as suas necessidades; antigamente usava estes recursos de forma equilibrada, sem prejudicar a natureza, só retirava aquilo que carecia para sua sobrevivência. Mas, com o passar dos tempos, esse equilíbrio desapareceu devido ao aumento da população, a alta tecnologia desenvolvida e ao exagerado consumo das pessoas. E isso acarretou numa demasiada utilização dos recursos naturais, em grande parte, explorados de forma imprópria.

Esse desequilíbrio ocasionado pelo homem demonstra que não se sente parte do meio ambiente; se ele continuar a destruir de forma inescrupulosa sem se preocupar com as consequências e efeitos de seus atos, poderá ocasionar a destruição do Planeta bem como a sua existência também.  A partir dessa realidade, devemos pensar em uma maneira de modificar as atitudes e comportamentos da sociedade perante o meio ambiente. E nada mais plausível que começar na Educação Infantil, pois através da escola podemos modificar os conceitos pré-estabelecidos por nossa geração a respeito sobre a natureza e a sua utilização.

Surgiu, então, à necessidade de mudar esse quadro, e a Educação Ambiental é uma das maneiras de reverter essa situação, pois ela busca modificar valores, comportamentos, atitudes a fim de buscar qualidade de vida a todos os cidadãos e pensar num mundo sustentável, respeitando a natureza e os benefícios que oferece. Mas, para que isso possa acontecer, é necessário mudar a atitude da população e é importante iniciar essa mudança nos primeiros anos de vida escolar da criança. Assim sendo, a Educação Infantil proporciona nessa primeira etapa de sua vida um desenvolvimento do saber, a criança está sempre disposta a aprender tudo e, portanto, devemos aproveitar esse momento para desenvolver o respeito ao meio, que é fundamental para a aprendizagem e que será levada por toda a vida, pois, além de entender, aprendem a valorizar e amar o meio ambiente.

A escola é um local imprescindível de se promover a consciência ambiental a partir da conjugação das questões ambientais com as questões sócio-culturais. As aulas são o espaço ideal de trabalho com os conhecimentos dos alunos e onde se desencadeiam experiências e vivências formadoras de consciências mais vigorosas porque alimentadas no saber (PENTEADO, 1994). Dentro desta perspectiva, pode-se considerar que este milênio está exigindo dos educadores o desenvolvimento de competências, habilidades e atitudes voltadas ao pensar, reformular e transformar a prática pedagógica com vistas a mudanças significativas no contexto escolar.  

Neste sentido, a escola é um dos primeiros espaços no qual a criança convive com outras pessoas, e é a primeira experiência de interação com a sociedade. Sua natureza, portanto, por si só, já é observadora e curiosa, e seu desenvolvimento se da através de descobertas que envolvem a escola e seu meio em que vive, estabelecendo relações de vivência com o mundo que a cerca.

Nesse contexto, segundo Reigota (1998), a Educação Ambiental aponta para propostas pedagógicas centradas na conscientização, mudança de comportamento, desenvolvimento de competências, capacidade de avaliação e participação dos educandos. Nada mais importante que iniciar um trabalho de conscientização ambiental na Educação Infantil, por meio de sua inserção no currículo. As crianças de hoje são o nosso futuro, pois através de comportamentos ambientalmente corretos vivenciados na escola podem adquirir formação adequada e, em consequência, responsabilidade pelo meio ambiente.

Assim, desde a infância, estimuladas a tomar atitudes conscientes e compartilhar responsabilidades, no futuro; farão parte de uma sociedade mais justa, responsável e conscientizados de seus papéis como atores sociais.

 

3.    O LIXO PRODUZIDO NO AMBIENTE ESCOLAR

 

Sabemos que o lixo faz parte de nossa sociedade e, portanto devemos produzi-los com muita cautela, pois a natureza precisa ser preservada e para isso precisamos nos conscientizar de que os bens retirados dela precisam ser melhor aproveitado e reaproveitado para assim consequentemente reduzir a produção de lixo em nossa sociedade, como referência  nossa escola. E cada um de nós precisa minimizar de forma controlada um pouco dos problemas ambientais que existem em nossa comunidade, ex.: lixo na escola, nas casas, nas ruas, materiais recicláveis misturados a lixos não recicláveis e isso depende basicamente, de cada um de nós fazer sua parte. E ao reaproveitar através da reciclagem os produtos utilizados em nosso cotidiano estaremos economizando um pouco dos recursos naturais e dessa forma, minimizando a ocorrência de impactos ambientais e sobre tudo reaproveitando os lixos para assim produzir menos lixos.

Gírio (2010) salienta que as crianças precisam de vivências enriquecedoras, a partir da mediação das suas educadoras que os orientam de forma sistemática a observar, experimentar, pesquisar, comparar, relacionar, formular, relatar, enfim, construir conhecimentos significativos despertando o sentido de cuidar para não faltar, interessar-se por ações que preservem o meio ambiente, por meio de experiências. Vivenciar, por meio da prática, experiências que ampliam o conhecimento sobre os temas trabalhados em sala de aula, faz com que a criança participe do processo de aprendizagem de uma forma mais dinâmica e prazerosa. Portanto:

 

É fundamental (...) possibilitar vivências para que a criança sinta a necessidade de cuidar bem do meio ambiente. E não basta que a criança aprenda a importância de preservar o meio ambiente, é necessário que ela tome como exemplo as atitudes dos adultos de seu convívio como educadores e familiares (GÍRIO, 2010, p.06)

 

Sendo assim, acreditamos que o ato de reaproveitamento do lixo é acreditar que o lixo não é lixo e sim fonte de reutilização de recursos para a transformação do lixo num bem comum para a sociedade. E portando o ato de realizar a coleta seletiva do lixo deve estar permanentemente incluído em nossas vidas para assim conseguirmos resguardar um pouco dos recursos retirados da nossa própria natureza. Assim, a pesquisa relatada neste artigo teve como foco, estudar uma maneira para criar atitudes de conscientização nas crianças pequenas a partir da reflexão sobre o lixo jogado no pátio da escola durante o recreio.

 

OBJETIVO GERAL:

  Investigar as contribuições para o conhecimento e a conscientização dos alunos da Educação Infantil sobre a importância da coleta seletiva do lixo, desenvolvendo a construção de atitudes para a preservação e com o desenvolvimento sustentável, de atividades relacionadas ao lixo da escola.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1)   Elaborar e avaliar a contribuição de uma sequência de atividades relacionadas ao lixo da escola buscando:

·        Conscientizar as crianças sobre a importância do meio ambiente e como o homem está inserido neste meio;

·        Incorporar o respeito e o cuidado para com o meio ambiente.

·        Incorporar a rotina da coleta seletiva.

·        Reconhecer atitudes inadequadas para com o seu meio ambiente

·        Estimular a mudança prática de atitudes e a formação de novos hábitos com relação à coleta do lixo.

·        Conscientizar sobre as diferentes formas de coleta e destino do lixo, na escola, casa e espaços em comum.

 

METODOLOGIA

 

A pesquisa foi desenvolvida na Escola Pública Municipal, na cidade de Campo Grande, MS. O público alvo da pesquisa foram os alunos da Pré-escola, totalizando o número de 25 crianças, com idade entre 4 a 6 anos. Os nomes das crianças citados na apresentação dos resultados são fictícios. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e de caráter qualitativa. O tema a ser abordado: Conscientizar os alunos da Educação Infantil sobre a importância de preservar o meio ambiente a partir da coleta seletiva do lixo.

Para isso, foi desenvolvida uma sequência de atividades didática acompanhadas pela observação direta do pesquisador, registros por meio de fotografias, desenhos e depoimentos dos alunos em rodas de conversa buscando verificar as contribuições para os objetivos pretendidos.

           O desenvolvimento da sequência de atividades didáticas foi organizado em 4 etapas:

1.     Sondagem sobre o tema abordado;

2.    Observação e coleta de dados;

3.    A conscientização e soluções para a problemática do lixo;

4.    Resultados das atividades desenvolvidas.

 

DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E RESULTADOS

Os procedimentos foram divididos em 4 etapas, que serão descritas a seguir com os resultados sobre cada uma das atividades didáticas

1ª Etapa - Sondagem sobre o tema abordado

1º Momento: Na roda de conversa com os alunos foram levantadas os seguintes questionamentos: O que é meio ambiente?  Você faz parte do meio Ambiente? As respostas de imediato das crianças sobre o que foi questionado é que Meio Ambiente: são as plantas e os animas, e que devemos cuidar. Quais são esses cuidados que devemos ter então para preservar a natureza? “Uma aluna de pronto levantou a mão e respondeu: não jogando o lixo nas ruas e rios, pois as plantas e os animais podem morrer” os demais colegas concordaram com sua afirmação, gesticulando com a cabeça e suas expressões faciais. Assistimos a um vídeo: A Maior Flor do Mundo de José Saramago, que retrata esses cuidados, como também do respeito e preservação da natureza.  Por ser um desenho animado e mudo, os alunos foram comentando as cenas, que não podia jogar o lixo na natureza, arrancar as plantas, pois iriam destruir casas dos animais, “um aluno observou que o besouro ficou sem ter onde morar”, sendo necessário cuidar, respeitar e preservar o meio ambiente.

No 2º Momento é preciso examinar nosso contato imediato com o Meio Ambiente; como cada um de nós contribui para o bem-estar ou par ao mal-estar do nosso Meio Ambiente, o que é lixo para nós, pois cada criança tem uma idéia diferente. Juntamente com as crianças fizemos uma lista no quadro das coisas que cada uma delas classificaria como lixo: brinquedo quebrado, papel rasgado, amassado e sujo, restos de comida, roupa velha, latas e garrafas de refrigerantes, embalagens de bolachas e salgadinhos, papeis de balas em seguida discutimos quais desses lixos podem ser reaproveitados ou reciclados e para onde deveria ir esse lixo. Para estimular a criança a desenvolver uma compreensão maior do ambiente que a cerca, enfatizei a importância de seu próprio lar e de sua família. É muito importante que a criança forme hábitos de cooperação, respeito e responsabilidade dentro de seu ambiente familiar, tendo mais chances de desenvolver essas mesmas atitudes quando adulta. Como professora, tenho como objetivo maior enfatizar a importância da escola para a comunidade em que ela está inserida. A escola oferece um local ideal para o desenvolvimento de ações em conjunto e deverá funcionar como berço de trabalhos comunitários.
           Neste sentido, para Currie:

Devemos trabalhar sempre os seguintes conceitos: a consciência pessoal visando à responsabilidade particular para com o Meio ambiente; a observação detalhada; a organização; a análise; a comunicação;o uso da imaginação e da criatividade; o estabelecimento da segurança  e da autonomia na aprendizagem, promovendo uma visão integrada do mundo em que vivemos.(CURRIE, 2000, p. 36).

 

            Assim sendo, deve ser discutido como está à situação do lixo na escola, qual o seu destino, e procurar alternativas para um destino correto. Promovendo campanhas para a redução e produção do lixo, onde os alunos poderão buscar alternativas para tornar as latas de lixo mais atraentes e mais utilizadas. Como isso, fomos explorar as cores das lixeiras para coleta seletiva do lixo, sendo: AMARELO: para metal, AZUL: para papel; VERMELHO: para plástico e VERDE: PARA VIDRO. Na escola os alunos identificaram dois pontos com as lixeiras de coleta seletiva, uma perto da cantina e outra com duas cores somente VERMELHO e AZUL na Educação Infantil, até então elas não sabiam o que cor de cada lixeira representava, até então as lixeiras eram utilizadas somente p armazenar o lixo e não fazer essa separação do lixo. Para ilustrar melhor e as crianças irem identificando as cores de cada lixeira apresentei um teatro de fantoches explicando a funcionalidade de cada cor das lixeiras e o que representa. Interagiram de forma criativa e participativa nesse momento.

 

2ª Etapa - Observação e coleta de dados

Realizamos uma aula passeio pelo pátio e entorno da escola para observarem os locais dos coletores de lixo, se a escola encontra-se limpa, qual a atitude das pessoas com o lixo durante o recreio, notaram que os alunos não utilizam as lixeiras devidamente, os alunos levantaram a hipótese de que não devem saber o que vai de lixo em cada lixeira, Fala de um aluno: “professora ele não sabe que o papel deve ser colocado na lixeira de cor AZUL”, observaram também que alguns alunos ainda jogam o lixo no chão, por fim fomos ver o que tinha nas lixeiras reservadas para a coleta seletiva do lixo na escola, estava tudo misturado e uma vazia. Na volta à sala, os alunos produziram desenhos representando o percurso realizado no passeio. Nos desenhos o mais chamou atenção dos alunos foram às lixeiras para a coleta seletiva do lixo, pois foram compreendendo a funcionalidade de cada uma e a importância de se fazer a separação do lixo, os alunos questionaram que não têm como fazer a coleta seletiva do lixo em suas casas por não ter lixeiras com suas respectivas cores: Azul-papel, Amarelo-metal, Verde-vidro e Vermelho-plástico, expliquei que pode-se fazer com os sacos de lixo.   Por último discutimos com o grupo partindo das percepções dos mesmos sobre de como é feito a coleta do lixo produzido na escola.

 

Figura 1: Observando e identificando o tipo de lixo que é produzido durante o recreio no pátio da escola.

 

     

 

Figuras 2 e 3: Desenho de observação dos alunos, após observarem o pátio da escola durante o recreio e da utilização das lixeiras para coleta seletiva do lixo.

Fiz a contação da história do livro “NÃO AFUNDE NO LIXO” da autora Nilce Bechara, esse livro conta a historia de Zeca e seu cachorro que saem as  ruas no dia mundial do Meio Ambiente para dar uma lição de cidadania nos moradores do seu bairro. As crianças fizeram um registro  em forma de ilustração (desenhos) do livro, sobre a compreensão da história  e na oralidade relacionando o tema abordado com o livro.

3ª Etapa - A conscientização e soluções para a problemática do lixo

É importante separar o lixo corretamente e reciclá-lo, fazendo com que todos se comprometam com o meio ambiente, do qual fazem parte, e com o contexto social e econômico no qual estão inseridos. Durante a pesquisa foi observado que os alunos estavam mais atentos aos problemas que o acúmulo de lixo pode causar ao meio ambiente, o próximo passo foi de incentivá-los a pensar em possíveis soluções para essa questão, mobilizando-os a separar o lixo em materiais recicláveis e não recicláveis, separando de acordo com a classificação universal (explicando que cada cor, em qualquer lugar do mundo, corresponde a um material: amarelo para metal; vermelho para plástico; azul para papel; verde para vidro; para lixo orgânico o destino era a composteira que a escola possui.

 A proposta de investigar o lixo da escola é uma das ações que os alunos podem desenvolver para reduzir o desperdício. Outra forma é cuidar melhor do meio ambiente, olhar cuidadosamente para as ações cotidianas, como escovar os dentes com a torneira fechada, por exemplo, e perceber o quanto eles podem colaborar para a preservação do mesmo utilizando racionalmente os recursos disponíveis. Por isso é tão importante praticar a coleta seletiva, é uma maneira de despertar nas crianças que as pequenas atitudes podem contribuir com a melhoria do meio ambiente e que deve partir de cada um, pois a Escola é também um ambiente de aprendizagem e conscientização, com isso os alunos confeccionaram algumas lixeiras de coleta seletiva para o lixo produzido na escola com matérias recicláveis, utilizamos caixas de papelão e latas, e também muita criatividade e imaginação dos pequenos.

Os resíduos gerados na Escola devem continuar a ser transformados em brinquedos e utensílios e/ou também doado para pessoas que trabalham diretamente com a coleta seletiva e reciclagem, algo que nossa escola já está fazendo. Neste dia me deparei com uma aluna chamando a atenção de sua mãe para fazer a separação do lixo em sua casamamãe temos que separar o lixo de casa, um tipo de lixo em cada sacola, não pode misturar o lixo”, no inicio a mãe ficou sem saber do que se tratava, então expliquei sobre o que estávamos trabalhando em sala de aula, essas cobranças se perpetuaram ao longo dos dias, os demais alunos também fizeram essa cobrança para pais, chamando sempre atenção de que em casa a separação do lixo não é feita, pois isso tem um grande significado e importância para os alunos, que é demonstrar para os pais o que estão aprendendo na escola.

A importância da Escola em promover Educação Ambiental, perguntei para os pais se acham importante que a Escola promova a Educação Ambiental, em especial o tema abordado “A coleta seletiva do lixo”, todos responderam afirmativamente, acreditando que é importante inserir e discutir esse tema de grande relevância: a melhoria do nosso ambiente, construindo lixeiras com especificação para cada tipo de lixo; alertar os alunos e familiares, conscientizar e sensibilizar toda a população, pois a maioria não colabora em nada para melhorar o descaso com o meio ambiente.

           De acordo com SILVA (2007, p. 11):

O lixo é um elemento presente na vida de qualquer pessoa, sendo um ótimo tema a ser trabalhado com os alunos, de forma interdisciplinar, objetivando a conscientização e a mudança de atitudes dentro e fora da sala de aula. Assim, a educação ambiental na escola assume um papel preponderante para a formação do sujeito e sua inserção social, propiciando-lhe um agir com consciência e atitude perante os problemas do meio ambiente.

 

 

     

 

Figura 4 e 5: identificando e utilizando os pontos da coleta seletiva do lixo na escola

4ª Etapa - Resultados das atividades desenvolvidas

Foram confeccionados cartazes com os desenhos dos alunos, retratando como o lixo é armazenado e coletado na escola. Identificando também as lixeiras para a coleta seletiva do lixo e as ações dos alunos perante o recreio na escola. No mural das fotografias as ações realizadas pelos alunos, como a confecção das lixeiras com caixas de papelão para a coleta seletiva do lixo, manifestando interesse e participação no desenvolvimento das atividades propostas, buscando a conscientização e a preservação do Meio Ambiente, identificando o seu papel e importância durante todo o processo, começando pelas ações como lixo que é produzido na escola e em suas casas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esse trabalho teve como objetivo conhecer os métodos e atividades, para trabalhar a Educação Ambiental e Coleta Seletiva do Lixo com alunos da Educação Infantil, e tentar contribuir para o conhecimento e conscientização dos alunos a importância da coleta seletiva do lixo e desenvolver a construção de atitudes para a preservação e o desenvolvimento sustentável. Surgiu então, a necessidade de buscar maiores explicações, de como os alunos podem aprender sobre a Educação Ambiental, em especial, sobre a Coleta Seletiva do Lixo, através de alternativas dinâmicas e interativas a partir de atividades práticas, tornando os alunos multiplicadores dessas pratica e atitudes.

A Educação Infantil é à base da formação dos futuros cidadãos. Assim, ao mostrarmos a importância de conhecer o meio em que vivem e como este depende das nossas ações, mostrando também o meio em que vivem outras crianças no mesmo município, em bairros, em escolas diferentes poderíamos estar formando adultos melhores e conscientes da importância da preservação e educação ambiental.

Para que haja o desenvolvimento sustentável, tem que haver consciência ambiental da sociedade como um todo, e as escolas como educadores tem que fazer seu papel, para se chegar ao desenvolvimento sustentável. Acredita-se que uma eficaz ferramenta para uma consciência ambiental se faz através do ensino formal, colocando em prática atitudes ecologicamente corretas para o bem estar das populações.

  A contribuição da uma sequência de atividades relacionadas ao lixo da escola contribuiu para: Incorporar a rotina da coleta seletiva, conforme foi observado pelas indagações de alunos a seus pais sobre esse procedimento em casa; Reconhecer atitudes inadequadas para com o seu meio ambiente, pois os alunos identificaram na coleta do lixo da escola a estocagem inadequada, por falta de conhecimento e incentivo a esse tipo de procedimento com lixo. Identificando a sua participação no processo e exercendo a cidadania. Como diz Paulo Freire "... a escola não transforma a realidade, mas pode ajudar a formar os sujeitos capazes de fazer a transformação, da sociedade, do mundo, de si mesmos..."

Por fim, existem vários motivos pelo qual é fundamental passar para essas crianças a importância da Educação Ambiental e a consciência da preservação e dos cuidados com o meio ambiente logo nos primeiros anos de vida, agora depende de nós educadores da primeira infância fornecermos a estas crianças as bases de conscientização e preservação necessárias, para que elas iniciem o seu caminho.

 

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.  — Brasília: MEC/SEF, 1998.

 

MEIRELLES, Maria de Sousa; SANTOS, Marly Terezinha. Educação Ambiental uma Construção Participativa. 2ª ed. São Paulo, 2005.

 

REIGOTA, M. Desafios à educação ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998. p.43-50.

 

PENTEADO, H. Dupas. Meio Ambiente e Formação de professores. (coleção questões de nossa época). São Paulo: Cortêz, 1994.

 

GÍRIO, Maria das Graças de Castro.  A preservação do meio ambiente na educaçãoinfantil. In:http://www.neteducacao.com.br/portal_novo/?pg=artigo&cod=1705 Acesso em: 19/09/2016

 

FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro

 

CURRIE, K. Meio Ambiente: Interdisciplinaridade na prática. Campinas-SP, Papirus, 2000.

 

SILVA, D. T. S. Educação Ambiental: Coleta Seletiva e Reciclagem de Resíduos Sólidos na Escola. Cachoeirinha-RS: FASB, 2007.

 

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2006

 

 

 

O presente Artigo foi formatado com as Normas de publicação na Educação Ambiental em Ação. http://www.revistaea.org/

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias