ISSN 1678-0701
Número 61, Ano XVI.
Setembro-Novembro/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

11/09/2017PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2919 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Débora Ferreira West

Graduando em Engenharia Ambiental,Faculdade de Tecnologia e Ciências 

Email: ericf.almeida@hotmail.com

Eric Freire Almeida

Graduanda em Engenharia Ambiental, Faculdade de Tecnologia e Ciências

Email: dinha_west@hotmail.com

Gracy Kelly Correia Freitas

Graduanda em Engenharia Ambiental, Faculdade de Tecnologia e Ciências

Email: kelly_west@hotmail.com

João Ferreira de Almeida Netto

Graduando em Engenharia Ambiental, Faculdade de Tecnologia e Ciências Email:joao_netto123@hotmail.com

Sara Julliane Ribeiro Assunção

Professora do Curso de Engenharia Ambiental

Email: sarassuncao_6@hotmail.com

Danielle Thaís Barros de Souza Leite

Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente - UFS

E-mail:  daniellethais@yahoo.com.br

 

 

RESUMO

Frente aos vários problemas ambientais que a natureza vem sofrendo, decorrentes de vários fatores naturais e da ação do homem, torna-se necessário que sejam realizadas orientações sobre o tema em estudo. Esse trabalho teve como objetivo a realização de um estudo e uma análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Meio Ambiente (PCN). Promove-se a articulação das ações educativas voltadas às atividades de proteção, recuperação e melhoria sócia ambiental, e de potencializar a função da educação para as mudanças culturais e sociais, que se insere a Educação Ambiental no planejamento estratégico para o desenvolvimento sustentável. Considerando a importância da temática ambiental e a visão integrada do mundo, no tempo e no espaço, sobressaem-se as escolas, como espaços privilegiados na implementação destas atividades.

 

Palavras – chaves: Educação Ambiental, Parâmetros Curriculares Nacionais, Meio ambiente.

 

ABSTRACT

In view of the various environmental problems that nature has suffered as a result of various natural and human actions factors, it is necessary that guidance is performed on the subject under study. This study aimed to conduct a study and a review of the National Curriculum Standards for the Environment (PCN). Promotes the articulation of educational activities aimed at protection activities, recovery and environmental improvement partner, and enhance the function of education to cultural and social changes, which includes the Environmental Education in strategic planning for sustainable development. Considering the importance of environmental issues and the integrated view of the world, in time and space, schools stand out as privileged spaces in implementing these activities.

 

Key - words: Environmental Education, National Curriculum Parameters, Environment.

 


INTRODUÇÃO

 


           

Frente aos vários problemas ambientais, decorrentes das atividades praticadas pelo homem, torna-se necessário que o tema Meio Ambiente seja abordado já nas primeiras séries iniciais, pois as crianças, em contato com a natureza crescerão tendo mais conhecimentos e mais conscientização da forma como deverão tratá-la, evitando desde cedo os problemas de desrespeito ao meio ambiente fazendo com que ocorra um equilíbrio entre a natureza e a sociedade em seu dia a dia (MACEDO,2000).

            Os Parâmetros Curriculares Nacionais voltados para essa temática vem orientar os professores, sendo elaborados para servir de referencial no desenvolvimento de seu trabalho, sendo flexíveis e adaptáveis à realidade de cada região, ou seja, o professor pode usar sua criatividade para transmitir seus conhecimentos. Os problemas apresentados no meio ambiente e a forma como a educação ambiental está sendo abordada dentro da escola através dos Parâmetros Curriculares Nacionais, são temas discutidos neste trabalho.A Política de Educação Ambiental legaliza a obrigatoriedade de trabalhar o tema ambiental de forma transversal, conforme foi proposto pelos Parâmetros e Diretrizes Curriculares Nacionais (FREIRE,1980).

            A sociedade humana só e viável quando o comportamento das pessoas se baseia numa ética. Sem ela, não é possível a convivência. E sem convivência, sem vida em comum, não há possibilidade de existência de qualquer sociedade humana, muito menos de uma sociedade saudável.Um grande equívoco seria associar qualidade de vida somente com riqueza material. A qualidade de vida do homem está diretamente vinculada à qualidade da água que se bebe, do ar que se respira, dos alimentos que se consome e da saúde que se obtêm por meio desse conjunto (PCN,1997).

            Considerando toda essa importância da temática ambiental e a visão integrada do mundo, no tempo e no espaço, sobressaem-se as escolas, como privilegiados na implementação de atividades que propiciem essa reflexão, pois isso necessita de atividades de sala de aula e atividades de campo, com ações orientadas em projetos e em processos de participação que levem à autoconfiança, a atitudes positivas e ao comprometimento pessoal com a proteção ambiental implementados de modo interdisciplinar (DIAS, 1992).

            Com os conteúdos ambientais permeando todas as disciplinas do currículo e contextualizados com a realidade da comunidade, a escola ajudará o aluno a perceber a correlação dos fatos e a ter uma visão integral do mundo em que vive. Para isso a Educação Ambiental deve ser abordada de forma sistemática e transversal, em todos os níveis de ensino, assegurando a presença da dimensão ambiental de forma interdisciplinar nos currículos das diversas disciplinas e das atividades escolares. (FREIRE,1980).

            A metodologia teórica e prática dos projetos ocorrerão por intermédio do estudo de temas geradores que englobam aulas críticas, palestras, oficinas e saídas a campo. Esse processo oferece possibilidades para os professores atuarem de maneira a englobar toda a comunidade escolar e do bairro na coleta de dados para resgatar a história da área para, enfim, conhecer seu meio e levantar os problemas ambientais e, a partir da coleta de dados, à elaboração de pequenos projetos de intervenção(REIGOTA,1999).

            Disseminar uma consciência, que proporcione uma visão mais ampla do que representam essas atitudes em termos de educação ambiental, é fundamental na perspectiva de reverter à concepção de utilidade e valor dos resíduos sólidos. Daí a importância da educação ambiental no processo educativo a fim de conscientizar e sensibilizar a respeito da utilização dos resíduos sólidos, propiciando assim alterações nas normas de convivência da escola, contribuindo para a construção de uma concepção mais ecológica com relação a separação, acondicionamento, coleta, remoção e destino final dos resíduos sólidos produzidos no ambiente escolar.

            Segundo Andrade (2000), a escola deve posicionar-se “por um processo de implementação que não seja hierárquico, agressivo, competitivo e exclusivista, mas que seja levado adiante fundamentado pela cooperação, participação e pela geração de autonomia dos atores envolvidos”. Projetos impostos por pequenos grupos ou atividades isoladas, gerenciadas por apenas alguns indivíduos da comunidade escolar – como um projeto de coleta seletiva no qual a única participação dos discentes seja jogar o lixo em latões separados, envolvendo apenas um professor coordenador – não são capazes de produzir a mudança de mentalidade necessária para que a atitude de reduzir o consumo, reutilizar e reciclar resíduos sólidos se estabeleça e transcenda para além do ambiente escolar.

            Este trabalho teve como objetivo a realização de um estudo e uma análise dos parâmetros Curriculares Nacionais para o Meio Ambiente (PCN). Para tanto, partimos dos problemas ambientais globais que desafiam a atualidade e levantamos as diferentes perspectivas que se colocam para a educação ambiental tanto no que tange às propriedades teóricas como práticas.

 

METODOLOGIA

 

            O desenvolvimento da pesquisa aplicou – se de questionários para professores e alunos (de acordo com tabela 01), no município de Amélia Rodrigues– BA, no mês de abril/2015 que têm como finalidade de investigar o interesse em trabalhar e avaliar os conhecimentos em Educação Ambiental. Nas questões aplicadas para os educandos (de acordo com tabela 02) procura - se identificar as práticas pedagógicas e as metodologias que têm maior aceitação, no sentido de sensibilizá-los para as questões ambientais.

            O objetivo de aplicação dos questionários aos professores e alunos foi de verificar o conhecimento e o grau de atualização sobre Educação Ambiental. Buscou-se verificar como eles definem meio ambiente, educação ambiental, a visão acerca dos problemas que causam impactos ambientais e também avaliar as dificuldades, que estes sentem em desenvolver uma educação de interesse para o meio ambiente na escola.

 

 

QUESTÃO

 

01

O que significa PCN’S e qual a sua função?

02

De que forma você definiria a Educação Ambiental quanto à metodologia aplicada?

 

03

De qual alternativa interdisciplinar, a Educação Ambiental poderia ser abordada no currículo da escola?

 

04

Quais temas possíveis a serem trabalhados em sala de aula relacionados a Educação Ambiental nas escolas?

(       ) poluição das aguas

(       ) resíduos sólidos

(       ) descarte inadequado do lixo

(       ) aquecimento global

(       ) Extinção

 

05

Pode-se definir a biodiversidade como uma diversidade biológica, sendo assim a maior responsável pelo equilíbrio ambiental:

(       ) Ela é grande responsável no processo do equilíbrio ambiental

(       ) É interessante principalmente para quem gosta do campo e de remédios naturais

(       ) É importante para pesquisadores e biólogos

(       ) Traz mais cor e variedade ao nosso dia-a-dia

(       ) Florestas e campos são tão diversos biologicamente quanto lavouras e parques urbanos

 

06

O meio ambiental envolve muito mais do que o meio natural do qual vivemos, de que forma você definiria esse meio?

(       ) A inter-relação entre a flora, fauna e o clima.

(       ) As paisagens naturais e urbanas

(      )  Tudo o que se relaciona a paisagem natural: florestas, rios, e seus habitats.

(       ) O lugar onde o homem e a natureza estão em constante interação.

 

 

07

Quais destes recursos são mais eficientes em relação aos problemas ambientais

(      ) trabalhos práticos como dinâmicas em grupo

(      ) palestras

(      ) aulas de campo praticas

(      ) internet

(      ) Outros

 

 

 

Tabela 01:O questionário, aplicado aos professores da escola.

 

 

01

No nosso dia a dia quem você acredita ter algum tipo de relação com os problemas ambientais?

 

(       ) Os animais 

(       )A natureza e o  homem      

(       )Só o homem  

(       )Só a Natureza      

(       )Os Vegetais           

(       )Outros

02

Quais são os meios de comunicações que você tem acesso a informações sobre Educação Ambiental?

 

(      ) Internet (      ) Rádio   (       ) TV   (        ) Jornais   (       ) Livros e Revistas

03

Que assuntos de Educação Ambiental desperta o seu interesse em aprender?

 

(       ) Solo

(       ) Vegetação

(       ) Ar          

(       )Chuva ácida         

(       ) Animais          

(       ) Águas

(      ) Problemas Sociais       

(       )Camada de ozônio

04

Assuntos relacionados aos problemas ambientais são frequentemente abordados em sala:

(      ) sim (      ) não Quais assuntos?____________

05

Relacione a primeira coluna de acordo com a segunda em relação as cores da coleta seletiva?

 

I - Amarelo                   (      ) Papel

II - Azul                       (       ) Plástico

III - Vermelho              (       ) Vidro

IV - Verde              (       ) Metal

06

O que você acha em relação ao aumento de discursões sobre os problemas ambientais nos meios de comunicação:

(       ) Bom                            (       ) Péssimo       (       ) Ruim                                  (       ) Importante                  (       ) Ótimo                  (       ) Necessário

07

Como acontecem os descartes produzidos em sua casa?

(       ) Coleta Municipal (feito pelos caminhões de lixo)

(       ) Coleta Seletiva

(       ) Por de meio da queima do lixo

(       ) Descarte em terrenos baldios 

(       ) Por meio de Cooperativas de lixo

 

Tabela 02: O questionário número 2, aplicado aos alunos

 

           

Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizado o levantamento bibliográfico, a fim de auxiliar na construção da fundamentação teórica de temas como conceitos de Educação Ambiental, resíduos sólidos e outros. Num segundo momento ocorreu a análise dos questionários que foram respondidos por professores e alunos, com o objetivo de obter informações importantes acerca da percepção dos problemas ambientais na escola.Desenvolveu-se um questionário segue em anexo, do tipo reflexivo “no qual o pesquisado não responde apenas às informações procuradas, como também se depara com questões provocativas, criando oportunidade de refletir acerca de suas condições de vida, como produto de uma estrutura social contraditória” (FRANCO,1994 p.20).

            Moraes (2000) estabelece que os questionários são instrumentos que possibilitam captar informações, opiniões, percepções, valores, modelos e outros aspectos dos indivíduos na diversidade de seus meios.

 

 

 

 

RESULTADO E DISCUSSÕES

Foram analisados e avaliados os questionários apresentados. Por último se propôs propostas de práticas ambientais.Quanto ao questionário respondido pelos educadores, pode-se verificar, que há diversidades de ideias, em contrapartida, é dado uma grande relevância a este tema.A finalidade da aplicação do questionário foi o de identificar, junto aos alunos as práticas pedagógicas e formas de expressão com maior capacidade de sensibilizá-los para os problemas ambientais.

Em relação aos questionários respondidos pelos professores, pode – se perceber que há uma grande diversidade de ideias, mas em geral, é dada uma grande relevância aos temas ambientais. Em relação aos questionários respondidos pelos alunos, trabalhou-se com alunos dos cursos regulares, nos quais estes cursam a diversas series do Ensino Fundamental no turno da manhã, a fim de buscar compreender um todo. Estavam na faixa etária em média de 10 a 14 anos de idade. Foram aplicados 20 questionários nos diversos setores.

 

QUESTIONÁRIO TRABALHADOS PELOS PROFESSORES

 

De acordo com os PCN’ s (Parâmetros Curriculares Nacionais), não indica atividades prontas a serem aplicadas aos alunos, ele explica o que o professor deve fazer e como fazer para aplicar estas instruções, visam orientar quanto os conteúdos básicos para área de conhecimento em cada série, fazendo com que se tenha um parâmetro mínimo para um trabalho em sala. 

            Pode-se notar que os professores tem conhecimento do que significa e a sua devida importância de se trabalhar de forma multidisciplinar os temas ligados ao meio ambiente, nos PPP (projeto político pedagógico), Para tanto é necessário que no processo de ensino aprendizagem, sejam exploradas a aprendizagem de metodologias capazes de priorizar a construção de estratégias de verificação do conhecimento, de desenvolvimento do espírito critico, capaz de favorecer a criatividade, a compreensão dos limites e alcances lógicos das explorações propostas. (MACEDO,2000).

 

‘‘São divididos em disciplinas (língua portuguesa, matemática, ciências naturais, história, geografia, arte e educação física) e entre Ensino Fundamental e Médio e abrangem tanto práticas de organização de conteúdo quanto formas de abordagem das matérias com os alunos.’’ (Professora do ensino fundamental).

 

‘‘Os parâmetros, são referenciais criados pelo governo federal como sugestões as escolas públicas e privadas de todo o país, no intuito de fazer com que a população de forma geral, participe da vida em sociedade, sua função é orientar e garantir a coerência dos investimentos no sistema educacional.’’ (Professora do ensino fundamental)

 

A Educação Ambiental é uma forma de educar e aprender, tendo como objetivo o próprio meio em que vivemos e a melhoria da qualidade de vida. A Educação Ambiental inclui estudos de problemas ecológicos e regras de conservação da natureza, ao mesmo tempo que desenvolve tópicos de outras matérias, buscando e aplicando toda a aprendizagem no próprio ambiente que envolve a classe (NISKIER, MENDES apud GUIMARÃES, 2000).

 

“A educação ambiental tenta despertar em todos a consciência de que o ser humano é parte do ambiente, e que cada um deveria se conscientizar para preservar o mesmo. (Professora do ensino fundamental).”

 

“A educação ambiental visa conscientizar quanto a importância de cuidar melhor do ambiente a fim que se tornem agentes de transformação e multiplicação de conhecimentos. Nesse sentido a escola tem a responsabilidade de desenvolver atividades pedagógicas que possibilitem aos alunos compreenderem a natureza tanto no meio ambiental natural como o criado pelo homem. (Professora do ensino fundamental).”

 

Pode-se notar que estes professores têm como entendimento que a Educação Ambiental na escola formal deve ser discutida nas áreas afins como geografia e ciências não tendo assim uma visão de interdisciplinaridade nas demais áreas.

 

            As professoras responderam: Fortalecendo na rotina escolar, atitudes e valores que viabilizem mudanças na relação do homem com o ambiente em que vivem. O trabalho pode ser feito através de pesquisas na localidade identificando problemas ambientais e a partir de então, mobilizar a comunidade através de caminhadas, panfletagens, palestras. Paralelo a isso pode – se desenvolver atividades interdisciplinares com a discussão de textos, filmes, documentários dentre outros.

 

“Poderia ser trabalhada em todas as disciplinas, mas não é isto que ocorre”.

 

‘‘É trabalhada nos projetos de artes e biologia a fim de despertar a curiosidade pelo meio ambiente”. Através desta resposta observa-se que o professor entende que a problemática ambiental deve ser abordada de maneira interdisciplinar e multidisciplinar.

 

            A educação para o meio ambiente é, portanto, um assunto que deve ser tratado de maneira integrada, englobando a prática pedagógica e a representação social dos sujeitos envolvidos, colocando as pessoas como participantes de um mesmo processo, na tentativa de solucionar os problemas ambientais. É um grande desafio promover diálogos interdisciplinares quando trata – se das questões ambientais. Apesar de ainda não ser abordada de maneira interdisciplinar, são várias as alternativas que poderiam ser abordadas. A maioria dos professores entrevistados acredita que deveriam ser abordadas alternativas como palestras, discussões, aulas práticas e etc.       

            Quanto aos temas a serem trabalhados em sala de aula foram dadas 05 (cinco) opções, onde todas relacionam – se com as problemáticas ambientais: Dos 20 professores entrevistados, os assuntos mais citados para serem trabalhados nas aulas foram: (50%) dos professores disseram que resíduos sólidos é um tema preocupante e por isso tem que ser trabalhado com maior ênfase, onde o reaproveitamento do lixo e a reciclagem favorecem para renda e inclusão das famílias que sobrevivem por esse meio.

            Seguindo de descarte inadequado do lixo (20%), a poluição das aguas (15%), o aquecimento global (10%) e (5%) extinção. Nota - se que por parte dos educadores, não é trabalhado como os educandos à conscientização e sensibilização dos problemas ambientais, faltando apoio da coordenação pedagógica, falta – se recursos e elaboração de um projeto para a semana de meio ambiente, para que possa a ser trabalhados de uma maneira geral, em todas as escolas do município, podendo fazer parte dos projetos a serem desenvolvidos durante o ano letivo. (MORAES (2000).

 

grafico1.jpg

Gráfico 01:Temas a serem trabalhados em sala de aula relacionados a Educação Ambiental

 

            A questão cinco apresenta-se da seguinte maneira: com relação à biodiversidade você pensa que: A opção mais assinalada (95%) é a que mostra que a biodiversidade “é grande responsável no processo do equilíbrio ambiental, (5%) falaram que é interessante principalmente para quem gosta do campo de remédios naturais. Os professores sabem da importância da biodiversidade como responsável pelo equilíbrio ambiental.

            Em relação ao meio, a opção mais assinalada (68%), foi a de a inter-relação entre a flora, fauna e o clima. A segunda opção destacada “o lugar onde o homem e a natureza estão em constante interação”.

Observa-se que há um entendimento pelos educadores que o homem faz parte do meio ambiente e não como um ser isolado. De acordo comRigota (1997), o ambiente é um lugar determinado ou percebido, onde os elementos naturais e sociais estão em relações dinâmicas e em interação. Essas relações implicam processos de criação cultural e tecnológico e processos históricos e sociais de transformação do meio natural e construído. (32%) Tudo o que se relaciona a paisagem natural: florestas, rios, e seus habitats. A partir dos resultados podemos perceber que os educadores possuem conhecimento de que o homem faz parte do meio ambiente e interagem entre si.

Quanto aos recursos mais eficientesnota – se que os professores têm uma deficiência para trabalhar com os projetos, falta incentivo por meio da coordenação pedagógica, em capacitar e promover cursos dentro da própria escola a fim de minimizar os problemas em lidar com determinados temas, 40 %  preferem trabalhos práticos como dinâmicas em grupo, 25 %  acreditam que por meio de palestras funciona, porém é mais fácil trabalhar com palestras com os alunos mais velhos, 12%  aulas práticas de campo em contato com a natureza, é mais fácil o processo de assimilação, 18%  trabalham com pesquisas, experimentos com o auxílio da internet, mais a escola não tem computadores suficientes e praticamente nenhum aluno não tem acesso à internet em casa, e 5%  assinalaram outros,  trabalhando assim por meio de cartilhas feitas em sala de aula mesmo . É notório que o ensino tradicional através dos métodos de leituras de livros não desperta interesse dos alunos, pois estes com as novas metodologias de ensino como trabalhos práticos com jogos e brincadeiras educacionais, palestras, vídeos e Internet, propiciam uma melhor assimilação.(DIAS,1992).

 

 

Gráfico 02: Recursos mais eficientes em relação aos problemas ambientais

 

QUESTIONÁRIO TRABALHADOS PELOS ALUNOS

 

Sobre as expectativas dos educandos em relação aos problemas ambientais: Nos problemas ambientais que se apresentam no dia a dia está incluído: dos 20 alunos entrevistados 70% responderam que o homem e a natureza, 15% os animais e vegetais, 10% só o homem e 5% só a natureza, essa diferença mostra a enorme dificuldade que eles tem em relação ao meio ambiente e de que forma está inserido. Conclui – se que possuem um conhecimento ambiental, ainda em formação, pois um dos maiores causadores desses problemas são o sistema econômico, consumindo os recursos naturais sem pensar nas consequências futuras.

 

grafico3.jpg

 

Gráfico 03:  Relação com os problemas ambientais

 

Sobre os meios de comunicação, evidencia-se que tanto alunos e professores preferem palestras e vídeos. Os instrumentos usados durante este processo de aprendizagem são de extrema importância para a construção e reprodução de visão de mundo. O uso de outros instrumentos além do quadro e a leitura de textos em livros didáticos, desperta o interesse dos alunos a vontade de aprender, auxiliando os professores na hora de passar conhecimentos sobre temas ambientais. Um dos grandes desafios para o educador é descobrir como usar as novas tecnologias como ferramenta para potencializar a transformação do aluno em agente do seu próprio desenvolvimento intelectual, afetivo e social.(FREIRE, 2000)

Dos 20 alunos 35% constataram que têm acesso aos materiais das questões ambientais por meio de livros e revistas. Enquanto isso 25% por meio de Jornais, 17 % pela televisão (Jornal falado), 16 % pelo rádio que seus pais normalmente informam, acontecendo uma conversa informal dentro do ambiente familiar e 7% pelo acesso à internet com ajuda de irmãos mais velhos, Através destes dados mostrou-se uma contradição entre as classes onde uns tem acesso a materiais e outros não.

 

 

Gráfico 04: Quais meios de Comunicação você tem acesso a informações sobre Educação Ambiental

 

A questão número três apresentou oito opções de assuntos de educação ambiental, sendo que foi pedido para que marcassem as de seu interesse em discutir nas aulas. Dentre os assuntos que mais obteve a incidência pelos alunos foi em relação a água obtendo um total de 60%, sendo seguido pelos animais 25% dos alunos, 15% alunos considera importante o Ar, a partir daí podemos analisar a grande preocupação dos alunos em relação à água, sendo esta um recurso finito e pela sua má utilização pode ocorrer a falta às gerações futuras. Afirmaram que a água potável é um recurso não renovável, pode-se constatar que os educandos têm uma consciência ambiental em relação a água e a sua importância para a humanidade.

 

grafico5.jpg

 

Gráfico 05:  Temas mais utilizados em Educação Ambiental

 

 

A quarta pergunta foi se algum professor já trabalhou problemas ambientais em sala de aula. Os dezesseis (80 %) alunos responderam que os educadores discutem os temas ambientais nas aulas, como: poluição, ar e agua, enquanto que quatro (20%) dos educandos afirmaram que nãosão trabalhados os problemas ambientais. Os assuntos abordados foram: poluição das águas, resíduos sólidos e descarte inadequado do lixo. Pode-se verificar que a maioria dos alunos acha importante a discussão dos temas ambientais, tendo assim uma consciência.

A questão cinco foi a que os alunos sentiram mais dificuldades cerca de 80% trocaram as cores, sendo que o Amarelo representa o Metal, o Azul representa o Papel, o vermelho representa o plástico e o Verde representa o vidro, 15% acertaram, tinham um entendimento maior em relação à separação dos resíduos em geral e 5% obtiveram algumas dúvidas.

O fundamento da coleta seletiva é a separação, pela população, dos materiais recicláveis (papéis, vidros, plásticos e metais) do restante do lixo, dentro da própria escola tem os coletores, foi orientado aos professores que já seria um grande avanço as crianças conhecerem os tipos de resíduos com suas determinadas cores, propondo aulas práticas no próprio pátio da escola, desenvolvendo uma atitude de bastante proveito não só na escola, como também nos ambientes que estas crianças convivem.

Em relação as discussões nos meios de comunicação:Felizmente podemos observar o interesse dos alunos em relação ao aumento de discussões sobre os temas ambientais, 40% alegaram ser necessários, 30% importante, 10% ótimo, 10% bom, 5% ruim e 5% péssimo.

 

‘‘Acho importante, pois dessa forma saberei quais os problemas ambientais mais frequentes.’’ (Aluno do ensino fundamental)

 

‘‘Sim, pois os problemas ambientais é consequência das nossas atitudes.’’ (Aluno do ensino fundamental)

 

            Analisando os dados, constatou-se que tanto alunos como professores acham importante a discussão sobre temas ambientais, os professores devem ajudar os alunos no processo de sensibilização; pois discussões a nível que passe na práxis ação-reflexão-ação, contribui no desenvolvimento de cidadãos mais conscientes frente à realidade socioambiental de maneira que possam enxergar como agentes transformadores da realidade (FREIRE,2000).

Quando indagados, sobre sua participação em campanhas de reciclagem, reutilização e redução de lixo, 36% afirmam que acontece pela coleta seletiva pelos bandaneiros, 48% responderam pela coleta seletiva, 17% afirmaram que jogam em terrenos baldios próximos de casa, 9% informaram que seus pais queimam boa parte do lixo, moram em áreas que não são tão habitadas ainda, e que dificulta o acesso aos carros de lixo.

Através do levantamento da pesquisa percebe-se o conhecimento e a consciência dos alunos, em relação a educação ambiental e a reciclagem, redução e reutilização do lixo que produzem. Esse estudo avaliou que a prática não é aplicada no decorrer do dia ou e em locais frequentados, e que todos tem conhecimento e consciência da necessidade de colocar em prática, a ser realizada sempre.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Entendemos que uma Educação Ambiental de ênfase somente teórica reduz a complexidade do real e mesclara os conteúdos e conflitos políticos inerentes à questão ambiental, favorecendo uma compreensão de um processo educativo identificado com a autonomia individual e o aluno se limita e não pode prescindir de uma atitude crítica participativa e comprometida com a ampliação da cidadania.

Segundo análise dos questionários constatou-se que a Educação Ambiental não está inserida no currículo da escola e também os alunos são receptivos a metodologias diferentes das convencionais como aula de campo, jogos educacionais, vídeos, oficinas, gincanas ambientais. E estão abertos a discutir assuntos da atualidade em relação à Educação Ambiental.

A Educação Ambiental se torna um dos principais instrumentos para esse sujeito, preparando o indivíduo a partir de informações que farão com que haja corretamente com relação ao meio ambiente. Foi possível perceber que, no PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais), a ênfase está na transmissão de valores e no desenvolvimento de atitudes cuja intenção é encontrar o equilíbrio harmônico entre homem e meio ambiente.

 

REFERÊNCIAS

 

BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? 2. ed.Florianópolis:Letras Contemporâneas, 1999.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo, Gaia,1992.

DONELLA, Meadows. "Conceitos para se fazer Educação Ambiental" -Secretaria do Meio Ambiente, 1997;

EDUCAÇÃO AMBIENTAL MEC, Coordenação "A implantação da Educação Ambiental no Brasil" , 1998.

ESTEBAN, Maria Teresa. O que sabe quem erra? Reflexões sobre avaliação e fracasso escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

ESTEVES, Ricardo dos Santos. Percepção ambiental em uma comunidade evangélica: a contribuição da igreja Presbiteriana Betânia de Piratininga para a conscientização ambiental. Niterói, 2006.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, ed. 11, 1980.

GASPARIN, João Luiz. Metodologia histórico - critica: Processo Dialético de Construção do Conhecimento Escolar.DPM/EUM.2006

TEIXEIRA, Beatriz de Basto. Parâmetros Curriculares Nacionais, Plano Nacional de Educação e a autonomia da escola. Disponível em <http://www.anped.org.br>.

REIGOTA, M. (Org.) Verde Cotidiano, o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP & A, 1999



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias