ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

16/09/2018ESTUDO COMPARATIVO DO REUSO DE ÁGUA NA REDE HOTELEIRA DE JOÃO PESSOA – PB: UMA QUESTÃO DE RESPONSABILIDADE E SUSTENTABILIDADE  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3398 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ESTUDO COMPARATIVO DO REUSO DE ÁGUA NA REDE HOTELEIRA DE JOÃO PESSOA – PB: UMA QUESTÃO DE RESPONSABILIDADE E SUSTENTABILIDADE

Geuba Maria Bernardo da Silva1; Francisco de Assis da Silva2; Dimítri de Araújo Costa3; Gil Dutra Furtado4; Carlos Alberto Isaza Valencia5

1Bacharel em Ecologia/Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Agente de Atividades Administrativas no Governo do Estado da Paraíba. E-mail: geubasilva@gmail.com

2Bacharel em Ecologia/UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Guarda de Endemias do Ministério da Saúde. E-mail: assismandela@gmail.com

3Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas/UFPB, Mestre em Ecologia e Monitoramento Ambiental/UFPB, Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB. E-mail: costa.researcher@yahoo.com.br

4Engenheiro Agrônomo/UFPB, Especialista em Psicopedagogia/UNINTER, Mestre em Manejo de Solo e Água/UFPB, Doutor em Psicobiologia/UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Pós-Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA)/UFPB, Cooperado da Cooperativa de Serviços Técnicos do Agronegócio. E-mail: gdfurtado@hotmail.com

5Graduação em Contaduría Pública/Universidad Del Valle (UNIVALLE). E-mail: carlos0isaza@gmail.com

RESUMO

Este artigo procura compreender a importância da gestão ambiental e o uso das diversas práticas de sustentabilidade adotadas na rede hoteleira de João Pessoa, Nordeste do Brasil. Avalia essas práticas sobre a implantação do reuso da água com a finalidade do reaproveitamento das águas, e redução do consumo de energia. A pesquisa também tem o objetivo de verificar as práticas de sustentabilidade adotados pelos hotéis A e B como estudo de caso para o Estado da Paraíba. Para o seu desenvolvimento, adotou-se uma abordagem qualitativa e quantitativa, e na coleta de dados aplicou-se um questionário aos gerentes dos hotéis pesquisados para contestar os dados. Os dados coletados permitiram construir tabelas e gráficos que demonstram como está sendo utilizadas as técnicas de sustentabilidade através de comparativos dos hotéis A e B. Dessa forma, verificou-se que o setor hoteleiro do município de João Pessoa, ainda carece de práticas de sustentabilidade que possibilitem o reaproveitamento da água e redução de consumo de energia.

Palavras-chave: Sustentabilidade; Reuso da Água; Sistema de Gestão Ambiental.



COMPARATIVE STUDY OF THE REUSE OF WATER IN THE HOTEL NETWORK FROM JOÃO PESSOA - PB: A QUESTION OF RESPONSIBILITY AND SUSTAINABILITY

ABSTRACT

This paper seeks to understand the importance of environmental management and the use of the various sustainability practices adopted in the hotel network from João Pessoa, Northeastern Brazil. It evaluates these practices on the implementation of water reuse with the purpose of use again, and reduce the energy consumption. The research also aims to verify the sustainability practices adopted by hotels A and B as a case study for the state of Paraíba. For its development, a qualitative and quantitative approach was adopted, and in the data collection a questionnaire was applied to the managers of the hotels surveyed to challenge the data. The data collected allowed the construction of tables and graphs demonstrating how sustainability techniques are being used through comparisons of hotels A and B. Thus, it was verified that the hotel sector of the municipality of João Pessoa still lacks sustainability practices that allow the water reuse and reduction of energy consumption.

Key words: Sustainability; Water Reuse; Environmental Management System.



ESTUDIO COMPARATIVO DEL REUSO DE AGUA EN LA RED HOTELERA DE JUAN PESSOA - PB: UNA CUESTIÓN DE RESPONSABILIDAD Y SOSTENIBILIDAD

RESUMEN

Este artículo busca comprender la importância de la gestión ambiental y el uso de las diversas prácticas de sostenibilidad adoptadas em la red hotelera de João Pessoa, Nordeste de Brasil. Evalua esas prácticas sobre la implementación de la reutilización del agua con la finalidad de aprovecharla nuevamente y de esta manera reducir el consumo de energía. La investigación también tiene el objetivo de verificar las prácticas de sostenibilidad adoptadas por los hoteles A y B como estudio de caso para el Estado de Paraíba. Para su desarrollo, se adoptó un enfoque cualitativo y cuantitativo, y en la recolección de datos se aplicó un cuestionario a los gerentes de los hoteles objeto de la investigación para constatar los datos. Los datos colectados permitieron construir tablas y gráficos que demuestran como están siendo utilizadas las técnicas de sostenibilidad a través de comparativos de los hoteles A y B. De esa forma, se verificó que el sector hotelero del município de João Pessoa, todavia carece de las prácticas de sostenibilidad que posibiliten el reaprovechamiento del agua y la reducción del consumo de energía.

Palabras clave: Sostenibilidad; Reutilización del agua; Sistema de Gestión Ambiental.

INTRODUÇÃO

Esta pesquisa abordará o reuso da água em dois hotéis da classe hoteleira de João Pessoa, cidade do estado da Paraíba, visando compreender a importância do reuso da agua como doação ao Sistema de Gestão de Responsabilidade e Sustentabilidade, como instrumento de redução do consumo, controle, demanda de água e energia. O setor de hospedagem é formado por pequenas e médias empresas, com grande representação econômica registrando um crescimento consistente ao longo das últimas décadas, tais empresas são classificadas por contribuírem com o desenvolvimento socioeconômico e cultural de um país consideradas grandes consumidoras dos recursos hídricos de forma direta e indireta, na qual exerce várias atividades operacionais na utilização de produtos e serviços que variam de acordo com a sua dimensão, categoria e taxa de ocupação.

Conforme Vieira (2004) a hotelaria é um segmento que está muito propenso a desperdiçar. A grande maioria dos hóspedes ainda não tem uma consciência voltada para a economia. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH), os principais impactos ambientais ocasionados pelo setor são o consumo de água, energia, material de limpeza e geração de resíduos (AMAZONAS, 2014).

Nesse sentido, conforme relata Nascimento (2014), o setor hoteleiro, entre demais atividades econômicas, é potencialmente impactante aos recursos hídricos, pois segundo Waggett e Arostsky (2006), hotéis utilizam um grande volume de água para suas atividades hoteleiras.

O Brasil é considerado a maior potência hídrica do planeta e passou a viver a maior crise hídrica de sua história nos últimos anos, a seca que antes atingia principalmente a região nordeste hoje também está presente em outras regiões. Apesar do país possuir as maiores reservas de água doce do planeta, vale enfatizar que elas estão desigualmente distribuídas. Além da má distribuição dos recursos hídricos, o baixo volume de chuvas nos últimos anos, o aumento da população, agricultura e a industrialização vem contribuindo para o aumento da demanda, e consequentemente a sua escassez. Dessa forma, por se tratar de um bem natural que está cada vez mais escasso, reutilizar a água é uma das alternativas de maior importância para o meio ambiente, para as empresas e a população em geral (LONDE at. al, 2014).

Nesse contexto levantamos as seguintes questões: Qual o impacto de consumo de água causado pela hotelaria no Nordeste e na Paraíba? Qual a percepção das pessoas em relação ao consumo e reuso da água do setor hoteleiro? Como está sendo utilizada a técnica de reuso na hotelaria em João Pessoa – PB?

A pesquisa almejou avaliar como está sendo introduzido o conceito de sustentabilidade na hotelaria de João Pessoa/PB, diante à problemática da escassez de água.

METODOLOGIA

A metodologia aplicada foi abordagem qualitativa que se baseia em análise dos dados e significados obtidos, além de quantitativa, pois, foram quantificados e relacionados a revisão teórica da pesquisa (THIOLLENT, 2002; GIL, 2006).

No primeiro momento foi realizada uma visita aos hotéis, onde se procedeu toda a explicação do projeto e a aceitação da participação no referido projeto. Em um segundo momento foi aplicado questionários com o intuito de avaliar a gestão da água nos hotéis pesquisados, objetivando analisar a contabilidade das despesas com água, energia e contas gerais dos hotéis. Também se aplicou aos gerentes de hotéis um questionário para melhor entendimento do funcionamento dos mesmos.

Para realização da coleta de dados fez-se um estudo bibliográfico da literatura para orientar as indagações pertinentes à pesquisa (GIL, 2006). Para a realização deste projeto, realizou-se uma visita de campo contatando os hotéis na orla da cidade de João Pessoa, com intuito de colher informações fundamentais para a pesquisa. Durante a realização da pesquisa foram visitados vários hotéis. Destes, dois hotéis se propuseram a fazer parte desta investigação.

O hotel “A” está localizado a 6Km do centro de João Pessoa à beira mar da praia de Manaíra e o hotel “B” está localizado na Praia de Tambaú em João Pessoa. Estes hotéis forneceram dados referentes ao consumo de água e energia em valores reais, ao longo dos anos de 2011 e 2012; além do quantitativo de unidades ocupadas durante este período.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O hotel “A”, dispõem de 140 unidades habitacionais e 229 leitos, e 80 colaboradores. Tem uma decoração contemporânea e de conceito ecológico sustentável, recebeu o título de Hotel Sustentável do Ano do Guia Quatro Rodas 2012 e também o Certificado de Excelência pelo “TripAdvisor”, na ISO 14001, pela utilização de tecnologias limpas e ações sustentáveis. Possui uma horta própria localizada no terraço aberta à visitação. No desenvolvimento das suas atividades sustentáveis podemos observar os mecanismos utilizados no dia a dia do Hotel: a coleta seletiva dos resíduos sólidos, utilização de produtos biodegradável, fardamento de tecido eco-eficiente reutilização da água para irrigação de jardins podendo ser dispensados requisitos de portabilidade da água, o que facilita soluções próprias de abastecimento (OMT, 2005; OMT, 2015). O hotel emprega tratamentos para assegurar a qualidade da água, fazendo uso de aparelhos de baixo nível no consumo de energia elétrica e realiza trabalhos educativos com os hospedes.

Adota sustentabilidade em todos os seus aspectos para a reconstrução dessa nova ordem econômica, utilizando a tecnologia cada vez mais avançada e eficiente para o próprio bem da natureza e da humanidade.

O hóspede que visita o hotel recebe uma cartilha no “check-in”, onde constam informações sobre atitudes sustentáveis, práticas do hotel e como ele pode contribuir. Todos são estimulados a deixar uma sugestão: cada ideia adotada e colocada em prática rende ao idealizador duas diárias com direito a acompanhante. Disponibiliza um painel em ordem cronológica de práticas de sustentabilidade para apreciação de hospedes e visitantes.

Descrevendo assim parece fácil, mas trata-se de um antigo sonho do empreendedor, que para isso contou com sete anos de planejamento e investimento financeiro para aplicar todos os equipamentos tecnológicos existentes no hotel como alternativa para desenvolvimento sustentável.

Como a empresa está situada à beira-mar, área que requer cumprimentos de legislação e licenciamento ambiental, para muitos parece empecilho, para o empreendedor pareceu um desafio: construir um hotel de médio porte em conformidade com as leis e, principalmente, inaugurando um novo conceito em hotelaria – eco design, que tem como foco principal o compromisso com o meio ambiente, com a estética e com a tecnologia.

Através desses mecanismos de sustentabilidade é possível encontrar diversos benefícios. Uma vez que se reduz o consumo de energia elétrica e de água, através do equipamento de energia solar e de reaproveitamento da água, por exemplo, por sua vez promove uma grande diminuição dos impactos ambientais em recursos naturais não renováveis (OMT, 2015).

A adoção de tecnologias limpas está trazendo ao hotel “A”, consequências favoráveis, como economia em matéria-prima e energia, melhoria nas condições de trabalho, incremento na qualidade dos produtos e serviços, diminuição dos custos e conservação na natureza.

Portanto, o projeto “Um novo conceito em hotelaria – design, tecnologia e sustentabilidade” tornou-se um verdadeiro espelho para os empreendimentos que procuram apostar na sustentabilidade, pois se trata de uma organização que mostra que é possível o crescimento econômico existir sem que haja degradação no meio ambiente. Para isso, é necessário iniciativa, comprometimento e seriedade, pois é uma atitude que traz excelentes retornos não só para a empresa, como também para a sociedade.

O hotel “B”, de acordo com os dados disponíveis no site do empreendimento, possui as seguintes características: confortável, prático e com um atendimento de excelência. O Hotel dispõe de 145 apartamentos, bar, lanchonete, estacionamento, acessibilidade par deficientes, lojas, piscina adulto, piscina infantil, restaurante, sala de TV, salão de jogos, serviço de apartamento, serviço de praia e serviço de lavanderia.

Quanto às práticas sustentáveis, o hotel realiza algumas voltadas para a minimização do consumo de energia elétrica, tais como: faz uso de lâmpadas com baixo nível de consumo e utiliza sensores de presença, e adota a técnica de captação dá água da chuva.

O hotel “A” conta com mais de 25 itens que favorecem a responsabilidade ambiental e social, onde maior parte desses itens é derivada da tecnologia limpa adotada pelo hotel, como equipamento de energia solar fototérmica, reaproveitamento da água, descarga de duplo acionamento, sensores de presença, elevadores inteligentes, ar-condicionado menos poluentes e de baixo consumo, utensílios de redução de poluição sonora e outros. O projeto também se destaca por envolver segurança do trabalho, coleta seletiva de resíduos sólidos, valorização dos colaboradores, parcerias com entidades voltadas para o desenvolvimento sócio-ambiental, e muita procura do âmbito da ciência com o intuito de realizar trabalhos abordando o diferencial sustentável do hotel.

Nessa perspectiva foi realizada uma visita técnica ao hotel “B”, com o objetivo de identificar as práticas de gestão ambiental adotas pelo hotel, com o intuito de correlacionar com o hotel “A”. Conforme a Tabela 01, a seguir as práticas de sustentabilidade adotadas pelo hotel “A” e o hotel “B”.

Tabela 01. Práticas de sustentabilidade adotadas pelos hotéis estudados.

Práticas de sustentabilidade adotada pelo hotel Verde Green e o hotel pesquisado.

Hotel “A”

Hotel “B”

 

 

 

Equipamento de energia solar foto térmica

SIM


Reaproveitamento da água

SIM


Descarga de duplo acionamento

SIM

SIM

Sensores de presença

SIM

SIM

Elevadores inteligentes

SIM


Ar-condicionado menos poluentes e de baixo consumo

SIM

SIM

Utensílios de redução de poluição sonora

SIM


Coleta seletiva de resíduos sólidos

SIM


Horta própria localizada no terraço do hotel

SIM


Reutilização da água para irrigação de jardins

SIM

SIM

Emprego de tratamentos para assegurar a qualidade da água que faz uso

SIM


Trabalhos educativos com os hóspedes.

SIM

SIM

Equipamento de energia solar e de reaproveitamento da água

SIM




De acordo com Felix (2013), atualmente o segmento hoteleiro passa a despertar um maior interesse a respeito da problemática ambiental, buscando adotar uma atitude diferenciada em relação ao usufruto dos recursos naturais indispensáveis a manutenção das suas atividades. Essa tem sido uma maneira encontrada pelos hoteleiros de reduzir seus custos, criar uma boa imagem perante o cliente e estabelecer um diferencial competitivo diante da concorrência acirrada. A aplicação de práticas ambientais e sociais adequadas é uma decisão empresarial sensata, já que estas não somente reduzem custos e melhoram a imagem do hotel (MORAES, 2008).

Relacionado a essa problemática, conforme a Tabela anterior pode se verificar práticas de sustentabilidade adotada pelo hotel “A” e o hotel “B”.

Para fundamentar nossa pesquisa, conforme citado anteriormente foi aplicado um questionário com perguntas fechadas aos Gerentes, para correlacionar o nível de conhecimento em relação a sustentabilidade e o uso racional da água. Na Tabela 02, as perguntas direcionadas aos gerentes dos hotéis.

Tabela 02. Práticas de uso racional da água adotadas pelos hotéis estudados.

 

HOTEL “A”

HOTEL “B”

1

Os chuveiros do hotel são do tipo padrão ou de baixo custo?



Baixo custo



Baixo custo

2

A roupa do hotel é lavada no próprio hotel ou em lavanderia terceirizada?

Próprio hotel



Lavanderia

3

Como é feita a lavagem da roupa do hotel? Diariamente, uma vez por semana, duas vezes por semana, mais de duas vezes por semana.

Diariamente

Mais de duas vezes por semana

4

Nas toaletes os vasos sanitários possuem sistema de dupla descarga?

Sim



Sim

5

Os utensílios da cozinha são lavados em máquina de lavar louças ou manualmente?

Máquina e manualmente



Máquina e manualmente

6

Se a louça é lavada a máquina, quantas vezes por dia é utilizada?

Mais de Três vezes por dia

Três vezes por dia

7

O hotel utiliza alguma prática de reuso?

Sim

Sim

8

Qual foi a motivação que levou o hotel “A” implantar técnicas do reuso de água?

Uso racional da água e Sustentabilidade

Uso racional da água

9

Quais as vantagens que o hotel pode obter com práticas de medidas sustentáveis?

Redução de custo e consumo

Redução de custo e consumo

10

Com essas técnicas o hotel teve no retorno financeiro rapidamente?

Sim



Sim

11

Que tipo de métodos foi utilizado para obter esse ganho?

Captação da água da chuva

Utilização das técnicas de reuso

Captação da água da chuva

12

Consumo de água mensal em metros / litros

411,600m³

426.30m³

13

Existe alguma politica de conscientização a respeito do uso da água para os hospedes? Qual?

 Sim

Sim



Diante das práticas utilizadas pelos hotéis, foram analisadas planilhas de valores com despesas de água e energia referente aos anos de 2011 e 2012, com objetivo de embasar as informações fornecidas.

Figura 01. Consumo de água e a quantidade de unidades ocupadas no hotel “A”, no ano de 2011.

De acordo com a figura 01, é possível observar a variação do consumo de água (em reais) ao longo do ano de 2011, como também a quantidade de unidades ocupadas no hotel A. Foi observado que de janeiro a setembro os valores se mantiveram estáveis nesse período, porém nos meses de novembro e dezembro houve um acréscimo bem acima da média em relação aos meses anteriores. Esse aumento está relacionado às festividades de fim de ano, aonde existe um aumento no número de hóspedes e, consequentemente, aumento do consumo (Figura 01).

Figura 02. Consumo de água e a quantidade de unidades ocupadas no hotel “B”, no ano de 2011.

Conforme a figura 02, podemos verificar o consumo de água no hotel “B” referente ao ano de 2011, bem diferenciado do hotel “A”, mostrando grande consumo de água em reais durante todo o ano.

De acordo com as figuras 01 e 02, verificou-se que o hotel “A” manteve o consumo estabilizado com a mesma média de ocupação, enquanto o hotel “B” houve uma variação praticamente em todos os meses do ano com a mesma média de ocupação, ou seja, a média de ocupação iguais, porém consumos diferentes. Em relação aos valores do consumo de água do hotel “A”, foi obtido um teto máximo de aproximadamente 22 mil reais, enquanto o hotel “B” chegou a cerca de 37 mil reais. Estes dados sugerem que o hotel “B” supera de forma significativa o consumo de água em relação ao hotel “A”, provavelmente por não adotar práticas eficientes de reuso da água.

Figura 03. Consumo de água e a quantidade de unidades ocupadas no hotel “A”, no ano de 2012.

Figura 04. Consumo de água e a quantidade de unidades ocupadas no hotel “B”, no ano de 2012.



De acordo com as figuras 03 e 04, referentes ao consumo de água dos hotéis pesquisados no ano de 2012, verificou-se que no hotel “A” houve uma variação no consumo e na média de ocupação, porém, em relação aos valores chegou ao teto máximo de 18 mil reais, enquanto o hotel “B” manteve a média de ocupação praticamente em todos os meses do ano, ou seja, a média de ocupação iguais, porém consumos diferentes. Em relação aos valores hotel “B”, foi obtido um teto máximo de aproximadamente 60 mil reais, conforme podemos observar a média de ocupação foi igual em todos os meses do ano.

Figura 05. Consumo de energia e quantidade de unidades ocupadas no hotel “A”, no ano de 2011.

Figura 06. Consumo de energia e quantidade de unidades ocupadas no hotel “B”, no ano de 2011.

De acordo com as figuras 05 e 06, referentes ao consumo de energia dos hotéis pesquisados no ano de 2011, verificou-se que tanto no hotel “A”, quanto no hotel “B”, manteve-se a média de ocupação praticamente em todos os meses do ano. Ou seja, a média de ocupação de ambos permaneceu estável. Em relação ao consumo de energia ambos, apresentaram a mesma variação em todos os meses do ano com valores de consumos aproximados.

Figura 07. Consumo de energia e quantidade de unidades ocupadas no hotel “A”, no ano de 2012.

Figura 08. Consumo de energia e quantidade de unidades ocupadas no hotel “B”, no ano de 2012.

De acordo com as figuras 07 e 08, referentes ao consumo de energia dos hotéis pesquisados no ano de 2012, verificou-se que tanto o hotel “A”, quanto o hotel “B” manteve a média de ocupação praticamente em todos os meses do ano, ou seja, a média de ocupação de ambos se manteve estável. O consumo de energia do hotel “A” apresentou um em dezembro; já o hotel “B”, presentou um aumento significativo nos meses de novembro e dezembro. Relaciona-se esses aumentos às festividades de fim de ano e carnaval.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante dos resultados obtidos em relação ao hotel “A”, verificou-se que o mesmo adota uma política de gestão ambiental agregado a práticas de sustentabilidades e técnicas de reuso. De acordo com esses dados, pode-se sugerir que esse empreendimento serve como exemplo para a hotelaria de João pessoa e da Paraíba.

Em relação ao hotel “B”, o mesmo possui a necessidade de adoção de uma politica de gestão ambiental, mesmo utilizando algumas técnicas de sustentabilidade apresenta um consumo muito alto em água e energia.

Dessa forma, verificou-se que o setor hoteleiro do município de João Pessoa, ainda carece de práticas de sustentabilidade que possibilitem o reaproveitamento da água e redução de consumo.

REFERÊNCIAS

AMAZONAS, Iuri Tavares. Gestão ambiental na hotelaria: tecnologias e práticas sustentáveis aplicadas nos hotéis de João Pessoa – PB. Dissertação apresentada como exigência parcial para obtenção do grau de Mestre no PROGRAMA REGIONAL DE PÓS - GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE – PRODEMA da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. João Pessoa, 2014.

FELIX, Vagner de Sousa; SANTOS, Joel Silva dos. Gestão Ambiental e Sustentabilidade: um estudo de casos múltiplos no setor hoteleiro de João Pessoa/PB. Rev. Elet. em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental (e-ISSN: 2236-1170) V.10, Nº 10, p. 2185-2197, JAN-ABR, 2013.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. Atlas, São Paulo, 2006.

LONDE R. L.; COUTINHO M. P.; GREGÓRIO L. T.; SANTOS L. B. L.; SORIANO É.; Desastres relacionados à água no Brasil. Ambiente & Sociedade. São Paulo v. XVII, n. 4. p. 133-152. out.-dez. 2014.

MORAES, A. G. Avaliação da gestão ambiental dos hotéis de selva de na Amazônia, Brasil. Pasos, Revista de Turismo y Patrimônio Cultural, outubre, ano/vol. 6, número 003. Universidad de La Laguna, Espanha, 2008.

NASCIMENTO, E. A. A.; SAN’TANA, D. Caracterização dos usos-finais do consumo de água em edificações do Setor Hoteleiro de Brasília. Revista de Arquitetura da IMED, v.3, n.2, 2014, p. 156-167

Organização Mundial do Turismo (OMT). Indicadores de desarrollo sostenible para los destinos turísticos: guía práctica. Madrid: OMT, 2005.

Organização Mundial do Turismo (OMT). Patrimonio Cultural Reporte anual 2014, 95. 2015.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2002.

VIEIRA, E. V. Desperdício em Hotelaria: Soluções para Evitar. Caxias do Sul, RS: Educs, 2004

WAGGETT, R.; AROTSKY, C. Water key performance indicators and benchmarks for offices and hotels. London: CIRIA, 2006. 56p.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias