ISSN 1678-0701
Número 72, Ano XIX.
Setembro-Novembro/2020.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Notícias     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Entrevistas     Saber do Fazer     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     O Eco das Vozes     Relatos de Experiências
 
Relatos de Experiências

No. 72 - 03/09/2020
RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE AS AÇÕES ANTRÓPICAS NAS NASCENTES DO CÓRREGO AGUÃO EM CALDAS NOVAS-GO  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4007 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE AS AÇÕES ANTRÓPICAS NAS NASCENTES DO CÓRREGO AGUÃO EM CALDAS NOVAS-GO

Isabella Regina Serra Brito Mesquita1, Alik Timóteo de Sousa2

1Mestra em Ambiente e Sociedade pela Universidade Estadual de Goiás, Especialista em Direito Administrativo e Direito do Trabalho, Professora de Direito pela Faculdade Integra de Caldas Novas. Email:isa_sb@hotmail.com

2Doutor em Agronomia pela Universidade Federal de Goiás. Email:aliktimoteo@gmail.com



Resumo: Este trabalho trata de um relato de experiência elaborado a partir da visita in locu em três nascentes do Córrego Aguão, situado em Caldas Novas-GO. A metodologia utilizada foi a pesquisa em campo e a revisão bibliográfica de literatura. O objetivo principal foi descrever as ações antrópicas nas nascentes visitadas, a fim de que as informações coletadas auxiliem nas políticas públicas ambientais. Os resultados apontaram que as interferências humanas nas nascentes verificadas violam as normativas ambientais.

Palavras-chave: Nascente; educação ambiental; água



Abstract: This work deals with an experience report elaborated from the on-site visit in three springs of the Córrego Aguão, located in Caldas Novas-GO. The methodology used was field research and literature review. The main objective was to describe the anthropic actions in the visited springs, so that the information collected will assist in public environmental policies. The results showed that human interferences in the verified springs violate environmental regulations.

Keywords: East; environmental education; Water



  1. Considerações Iniciais

O presente artigo apresenta um relato de experiência fruto da pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade, da Universidade Estadual de Goiás. A pesquisa foi idealizada em razão da preocupação da pesquisadora e do seu orientador com a proteção das nascentes que estão situadas no espaço urbano.

Apesar de a água ser um bem fundamental da pessoa humana, pouco se discute sobre a relevância daquele pequeno ponto de água que brota do solo, responsável pelo abastecimento dos córregos e rios.



  1. Metodologia

2.1 Área Visitada

O Córrego Aguão, situado na cidade de Caldas Novas-GO, possui extensão de aproximadamente 1.912 metros, conforme dado coletado utilizando o programa Google Earth Pro, no dia 13/09/2017. Está localizado na área urbana e drena áreas dos bairros Nova Vila, Jardim dos Buritis e Itajá. Existem três nascentes localizadas na Rua 07, quadra AV, no setor Itajá.



2.2 Aspectos metodológicos

A primeira fase da pesquisa foi fazer um levantamento de informações documentais. A segunda fase baseou-se na pesquisa em campo, nesse aspecto utilizou-se uma caderneta para fazer anotações e uma câmera fotográfica digital para registrar as imagens do local visitado.



3. A experiência observada

A nascente principal do Córrego Aguão está localizada dentro de uma propriedade particular (Latitude 17°45'11.24"S e Longitude 48°36'58.31"O). No local funciona um restaurante que utiliza a água represada para prática de piscicultura e criação de patos e gansos (Figura 1).



Figura 1 - Nascente represada utilizada para piscicultura, criação de patos e gansos.

Fonte: Arquivo pessoal da autora



As outras duas nascentes estão situadas nos lotes 17 e 18, no fundo de duas propriedades (latitude 17°45'8.82"S e longitude 48°36'55.63"O). O acesso a elas está limitado por uma tela. Do lado externo, aproximadamente 25 metros de distância, é possível verificar que foi instalado a rede pluvial que lança todo material coletado para a área da nascente (Figura 2). O lixo acumulado no asfalto, como óleo, gasolina e eventual metal pesado, é levado para a nascente por meio da rede pluvial.

Figura 2 - Rede Pluvial no entorno da nascente