ISSN 1678-0701
Número 72 (volume 19, série 3)
Setembro-Novembro/2020
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Notícias     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Entrevistas     Saber do Fazer     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     O Eco das Vozes     Relatos de Experiências
 
Relatos de Experiências

No. 72 - 03/09/2020
ATIVIDADES EM ÁREAS NATURAIS: EXPERIÊNCIAS NO PARQUE ECOLÓGICO ÁGUAS DO LAJEADO  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4015 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ATIVIDADES EM ÁREAS NATURAIS: EXPERIÊNCIAS NO PARQUE ECOLÓGICO ÁGUAS DO LAJEADO

Keila Camila da Silva1

1Engenheira ambiental. Mestra em ciências da engenharia ambiental (EESC/USP). Especializando em ecologia e monitoramento ambiental pela Universidade de Araraquara (UNIARA). keila_ambiental@hotmail.com



Resumo: O presente trabalho trata-se de uma ação contínua de educação ambiental do projeto “Ser Natureza” iniciado em 2018 no Centro de Educação Ambiental (CEA), Polo Educa Verde do Parque Ecológico Águas do Lajeado no município de Dois Córregos, São Paulo. O projeto propõe aos alunos da rede de ensino da cidade atividades monitoradas visando a ligação e contato direto com o meio ambiente. Com enfoque em atividades práticas vivenciadas, foram realizadas trilhas interpretativas, dinâmicas educativas e plantio de espécies vegetais no viveiro de mudas visando estreitar a relação entre as crianças e a natureza. Tomando por base que as atividades foram realizadas entre os meses de dezembro de 2018 a março de 2020 e envolveu 09 escolas e instituições: a EMEF Benedito dos Santos Guerreiro, a EMEF Profº Valdomiro Casagrande, a EMEFEI Profª Laura Rebouças de Abreu, a EMEF Francisco Simões, a EMEFEI Oscar Novakoski, o Projeto Coragem, a EMEI Maria José Scarpim, a CEMEI Profª Maria Lúcia Altimari Dante e CEMEI Profª Maria Helena Capelini Rodrigues com um total de 18 encontros, abrangendo 28 turmas de diversas faixas etárias, analisamos que o projeto possibilitou a abertura de um diálogo entre os participantes, onde o Parque funcionou como um espaço educador com grande potencial para a aprendizagem e aproximação do meio ambiente natural.

Palavras-chave: Natureza; Parque Ecológico; Educação Ambiental.



Abstract: The present work is a continuous action of environmental education of the project “Ser Natureza” started in 2018 at the Center for Environmental Education (CEA), Polo Educa Verde of the Águas do Lajeado Ecological Park in the municipality of Dois Córregos, São Paulo. The project proposes monitored activities to students in the city's education network in order to connect and directly contact the environment. With a focus on experienced practical activities, interpretive trails, educational dynamics and planting of plant species were carried out in the seedling nursery in order to strengthen the relationship between children and nature. Based on the fact that the activities were carried out between December 2018 and March 2020 and involved 9 schools and institutions: EMEF Benedito dos Santos Guerreiro, EMEF Profº Valdomiro Casagrande, EMEFEI Profª Laura Rebouças de Abreu, EMEF Francisco Simões, EMEFEI Oscar Novakoski, Projeto Coragem, EMEI Maria José Scarpim, CEMEI Profª Maria Lúcia Altimari Dante and CEMEI Profª Maria Helena Capelini Rodrigues with a total of 18 meetings, covering 28 classes of different age groups, we analyzed that the project made it possible to open a dialogue between the participants, where the Park functioned as an educational space with great potential for learning and approaching the natural environment.

Keywords: Nature; Echologic Park; Environmental Education.



Introdução

Os parques urbanos atualmente integram a categoria de áreas verdes, regulado como domínio público no art. 8°, §1º, da Resolução CONAMA nº 369/2006, estes espaços têm por finalidade desempenhar função ecológica, paisagística, recreativa e educativa, propiciando a melhoria da qualidade estética, funcional e ambiental da cidade.

Esses parques têm acompanhado as transformações urbanísticas das cidades e se tornado, de acordo com Macedo e Sakata (2010), testemunhos importantes dos valores sociais e culturais das populações urbanas.

Segundo Pereira e Pato (2015) em diferentes contextos, os parques representam elementos codificadores da importância da questão ambiental nas cidades.

Assim, Macedo e Sakata (2010) entendem ser através dos parques urbanos que se alcança o caminho para caracterizar os parques como elementos típicos da cidade moderna e em constante processo de ressignificação da ação humana com a natureza.

Peres e Barbosa (2011) indagam que a natureza nos ensina a trabalhar com elementos diversos que se adaptam de acordo com cada lugar e suas respectivas características ambientais, geográficas e ecológicas.

Nesse contexto, Leff (2011) afirmou que o meio ambiente precisa ser compreendido como uma rede complexa de fenômenos naturais, sociais, econômicos, culturais e ecológicos. Para tanto, faz-se necessária uma metodologia capaz de mediar a busca de um saber que problematize o real percebido, ou seja, que contribua com a construção um campo de conhecimento teórico e prático orientado para rearticulações críticas entre sociedade e natureza.

Partindo do princípio que a predisposição para brincar é parte essencial da natureza infantil, concluímos que o uso dos parques urbanos com abordagens metodológicas lúdicas possibilita transformar aulas tradicionais em momentos de sensibilização.

Nesse sentido o Projeto Ser Natureza busca proporcionar educação ambiental para alunos da rede de ensino do município de Dois Córregos, tendo o Parque Ecológico Águas do Lajeado como uma ferramenta para alcançar a sensibilização e reflexões acerca da problemática ambiental.

Além disso, de forma a incentivar a relação ser humano e natureza no município, foi criada a Comissão Interinstitucional Municipal de Educação Ambiental regida pelo decreto nº 4.702 de 26 de agosto de 2019. A comissão tem caráter paritário e participativo, além disso é composta por membros titulares e suplentes indicados pelos órgãos e entidades governamentais e não-governamentais.

Seu objetivo é promover a discussão, criação, revisão, acompanhamento e avaliação do Programa Municipal de Educação Ambiental de Dois Córregos, o qual define as ações de educação ambiental no município e onde o Projeto Ser Natureza está inserido.

Esse estudo justifica-se pelo fato que no município de Dois Córregos percebe-se o desconhecimento da existência do Parque Ecológico Águas do Lajeado por grande parcela da população, nesse sentido, o Projeto Ser Natureza servirá como uma ferramenta de visibilidade do Parque e seus atrativos, além de ser um chamariz para o contato com o meio ambiente.



Metodologia

A metodologia da pesquisa pode ser definida, segundo Minayo (2007), como “o caminho do pensamento e a prática exercida na abordagem da realidade”.

Assim sendo, esta pesquisa efetuou-se por meio da experiência (TRIVIÑOS, 1987), com interesse na investigação vivenciada, em que o objeto de estudo foram visitas escolares agendadas e monitoradas no Parque Ecológico Águas do Lajeado, com intuito de estreitar a relação ser humano-natureza.



Área de estudo

A área de estudo do presente trabalho compreendeu o Parque Ecológico Águas do Lajeado, localizado na Avenida Gofredo Schelini, nº 245, Vila Bandeirantes no município de Dois Córregos, estado de São Paulo, figura 1:

Figura 1 – Parque Ecológico Águas do Lajeado

Fonte: Ortofoto, 2017, modificada.



O Parque foi instituído pela Lei nº 2.817 de 27 de maio de 2003, em área da municipalidade, com aproximadamente dois alqueires, localizado na cabeceira do córrego Lajeado.

Apresenta um centro de educação ambiental e de vivências, onde são realizadas ações monitoradas de educação ambiental. O Parque também procura conservar o meio ambiente, possui uma lagoa, nascentes do córrego Lajeado, matas nativas e protegidas, animais, além do viveiro de produção de mudas.

O CEA – Centro de Educação Ambiental de Dois Córregos possui horário de funcionamento de segunda a sexta-feira em período integral onde realiza em fluxo contínuo atividades monitoradas de educação ambiental. Além disso, possui um folder de divulgação e boletins informativos mensais das ações ocorridas disponível no website da Prefeitura Municipal.

Todas as atividades são guiadas e acompanhadas por servidores e educadores ambientais do Departamento de Agricultura e Meio Ambiente.



Projeto Ser Natureza

Idealizado em 2018 pelo Departamento de Agricultura e Meio Ambiente, o Projeto Ser Natureza visa a inserção da educação ambiental não formal no Parque Ecológico Águas do Lajeado, Centro de Educação Ambiental – Polo Educa Verde.

Durante o ano ocorre a visitação de escolas e associações assistenciais no Centro de Educação Ambiental, com diversas atividades monitoradas e contínuas, programadas para todos os meses possíveis do ano, permitindo o contato e vivências com a natureza. Essas atividades possuem duração média de uma hora e trinta minutos (1h30min). A relação das principais ações é descrita a seguir:



Dinâmicas como instrumento de educação ambiental

As dinâmicas em educação ambiental consistem em atividades que visam à sensibilização de forma lúdica e são facilmente assimiladas por crianças, além de desenvolver várias habilidades cognitivas e motoras. As atividades são selecionadas com base no tamanho da turma e idade de forma a adequá-los aos conceitos.

Durante as visitações é realizada uma gama de opções de dinâmicas adequadas e selecionadas conforme o perfil da turma envolvida.

A figura 2 demonstra algumas das dinâmicas realizadas:

Figura 2 – (1) Dinâmica Encontre sua árvore; (2) Dinâmica Presa e Predador.

Fonte: a autora.

Biblioteca especializada

O Centro de Educação Ambiental possui uma biblioteca especializada na área ambiental com aproximadamente 184 livros, cartilhas e revistinhas disponíveis para consultas, ficando aberto ao público para utilização e atividades como rodas de leitura e troca de conhecimentos (figura 3).

Figura 3 – Rodas de leitura e conhecimento.